29 de Junho de 2010

De Regresso

Aqui estou de regresso, ainda a limpar a secretária de papelada que cá veio parar durante as minhas férias. Não tarda nada e estou novamente a precisar de mais férias...LOL...
Reaberta esta cozinha, tenho muitas receitas para tratar e mais umas tantas a bailar na minha cabeça. No intervalo contem com a minha visita, porque vou espreitar as vossas cozinhas.

Começando a pôr em ordem o arquivo aqui fica uma alegria: o meu primeiro selinho oferta das minhas queridas Annie, do "Recetas Y Condimentos" e da Mariana do "Na cozinha da Mariana". Não deixem de lhes fazer uma visita, porque tenho a certeza que irão ficar de barriga cheia.



O "PRÉMIO DARDOS" é uma corrente de amizade virtual e destina-se a reconhecer o valor dos  blogueiros que se dedicam a transmitir valores culturais, humanos, literários, etc.
Recebido o prémio há que cumprir determinadas regras:

1º  - Exibir a imagem do selo no Blog;
2º - Exibir o link do blog através do qual recebeu o prémio;
3º - Escolher 10, 15 ou 30 blogues para atribuir o prémio.

Cumpridas as 1ª e 2ª regras, há que passar à 3ª. Não é fácil, porque em todos os blogues que visito encontro o  espírito de partilha e promoção de valores que pressupõem a atribuição do prémio, por isso começo por dedicar este prémio a todos os blogueiros, das artes culinárias e outras, que alargaram à internet a amizade e o respeito, o conhecimento e o saber, para, de seguida, indicar os blogueiros a quem passo este prémio. São sobretudo blogueiros dedicados à culinária e gastronomia, que visito com frequência e a que vou muitas vezes buscar a minha inspiração (além de todos os outros):


E como com qualquer presente há uma coisa que considero mais importante que qualquer outra: não o facto de receber o presente, não o presente em si, mas o facto de alguém ter dedicado algum do seu tempo a pensar em nós. Nem que fossem dois minutos à pressa. Com este selo não pensamos só nas pessoas a quem o atribuímos, mas em todas as pessoas a quem o mesmo pode ser dedicado com igual justiça, por isso a quem não consta da lista atribuo também o Prémio Dardos.

Beijinhos.

28 de Junho de 2010

Almoçar no Escritório - Salda de Tofu marinado em iogurte e Legumes com Requeijão


Para variar um bocadinho os ingredientes das refeições recorro por vezes ao tofu. Como lá em casa só eu é que alinho em alimentos alternativos utilizo-o para as minhas refeições de almoço: ou em saladas ou juntando cubinhos de tofu na sopa.
A marinada de iogurte, limão e gengibre dá ao tofu e aos legumes um aroma excelente.

Ingredientes:
Tofu
1 iogurte natural
1/2 limão
3 fatias fininhas de gengibre
2 dentes de alho pequenos
1/2 courgete
1 cenoura pequena
Espinafres (usei 2 "blocos" de folhas congeladas")
100 gr. de uvas
100 gr. de tomate cereja
Requeijão q.b.
Azeite q.b.

Preparação:
Preparei o tofu conforme indicações: abri a embalagem e levei ao microondas, com o próprio liquido, por um minuto na potência máxima.
Uma das porções cortei em pedaços e congelei.
A outra porção cortei em cubos grossos e coloquei num recipiente com tampa e com a seguinte marinada: 1 iogurte natural, 1 dente de alho esmagado, sumo de 1/2 limão e o gengibre. Levei ao frigorífico por cerca de hora e meia.
Cortei a courgete, com a casca, em cubos.
Descasquei a cenoura e cortei em cubos pequenos.
Numa frigideira levei a alourar 1 dente de alho em azeite. Quando começou a dourar retirei-o.
Juntei ao azeite a cenoura e a courgete.
Envolvi e deixei os legumes alourar.
Escorri o tofu, reservando a marinada, e juntei aos legumes.
Juntei as folhas de espinafres, já descongeladas.
Juntei o requeijão esfarelado.
Deixei alourar e acrescentei a marinada (depois de lhe retirar o alho e o gengibre), envolvendo bem até evaporar.
Retirei do lume e acrescentei as uvas (sem grainhas) e os tomates cortados ao meio.

24 de Junho de 2010

Tarte Merengada de Morango e Manga

À parte os posts agendados, tenho andando em descanso no que toca ao blog. Duas semaninhas de férias muito apreciadas que tenho estado a aproveitar e bem. Não quer dizer que a cozinha tenha encerrado, não. Tem estado bem activa e logo o verão, mas férias são férias e há que fazer uma pausa em tudo para podermos recomeçar em força.
No entanto, tenho visto os vossos lindos comentários, que tão bem me fazem e tenho passado pelas vossas cozinhas, mas de mansinho, sem darem por mim. De resto, aqui no blog foram as férias interrompidas pela agradável surpresa do destaque dado ao blog no Kitchenet e agora para publicar a receita com que participo no desafio do "Delicias & Talentos" que propõe para o menu uma receita com a letra M. 
Aqui vai uma tarte muito simples e fresquinha para um final de jantar de Verão:

Ingredientes:
Para a massa:
100 gr. de farinha
15 gr. de manteiga
50 gr. de água
1 pitada de sal

Para o recheio:
Manga e morangos q.b.
Açúcar mascavado q.b.

Para o merengue (por cada 2 tartes)
1 clara
5 colheres de sopa de açúcar

Preparação:
Comece por preparar a massa. A receita que utilizo veio do "Flagrante Delicia" e já não é a primeira vez que a uso. É uma massa estaladiça e com pouca manteiga, que fica excelente com a textura da fruta e do merengue.
Misture os ingredientes e amasse.
Deixe descansar por 30 minutos.
Estenda a massa numa superfície enfarinhada e forre formas individuais de tarte.
Encha as formas com feijões e leve a assar em forno pré-aquecido a 200º por cerca de 15 minutos.
Retire do forno e reserve.

Entretanto prepare a fruta: lave os morangos e retire-lhes os pés e descasque a manga.
Parta em cubos pequenos.
Polvilhe com açúcar mascavado e reserve.

Prepare o merengue:
Comece por bater a clara a velocidade baixa.
Quando começar a ganhar volume continue a bater à velocidade máxima.
Vá incorporando o açúcar aos poucos, até a clara estar espessa e brilhante.

Distribua a fruta pelas tartes e, utilizando um saco de pasteleiro, cubra com o merengue.
Leve ao forno pré-aquecido a 200º durante 5 minutos ou até o merengue dourar.
Deixe arrefecer e sirva.

23 de Junho de 2010

Tarte de Maçã e Ruibarbo


E depois da estreia não podia parar.
Nas pesquisas por essas cozinhas vi, no Chocolatria, esta tarte de ruibarbo e maçã que me fez crescer água na boca. Depois do duo ruibarbo/morangos, esta parelha com a maçã parecia excelente. Foram mais uns dias à espreita na banca do Pingo Doce até aparecer novamente o ruibarbo e passado umas horas estava esta tarte na minha mesa. O resultado foi excelente: uma doçura suave, mas com personalidade, numa ligação perfeita com o crocante da massa. 

Ingredientes:
A massa:
2 chávenas de farinha de trigo
3 colheres de açúcar
150 gr de manteiga
2 a 3 colheres de sopa de água gelada

O recheio:
1 e 1/2 chávena de ruibarbo 
1 maçã
1/2 chávena de açúcar (usei açúcar mascavado) 

Preparação:
O recheio:
Corte o ruibarbo em pedaços de cerca de 2,5 cm.
Retire as sementes à maçã e fatie (por distracção descasquei também a maçã, mas a receita original menciona a maçã com a casca)
Coloque a fruta num tacho, junte o açúcar (acrescentei 1 colher de sopa de água) e leve a lume forte.
Quando começar a ferver reduza para o mínimo e deixe cozer por cerca de 10 minutos ou até a fruta estar macia.
Desligue e deixe arrefecer.

A massa:
No robot de cozinha misture a farinha, o açúcar e a manteiga até obter uma massa granulosa.
Com o robot ligado, acrescente, aos poucos, a água até a massa estar bem ligada.
Embrulhe a massa em película aderente e leve ao frigorífico por 30 minutos.

A tarte:
Numa forma de fundo amovível estenda a massa da tarte.
Deite o recheio frio no centro e dobre as pontas da massa para dentro.
Polvilhe com açúcar.
Leve ao forno pré-aquecido a 180º até a massa estar dourada (no meu forno foram cerca de 50 minutos, a primeira metade do tempo com ventilação ligada).

18 de Junho de 2010

Taça de Morangos com Gelado de Cereja


Lá estão as minhas cerejinhas tão vermelhinhas na fruteira, lado a lado com os morangos. Acho que hoje vão fazer duo ao jantar. E como o Verão está aí à porta o que apetecia mesmo era um geladinho, sai uma salada de morangos com gelado de cereja.

Ingredientes:
Morangos q.b.
2 iogurtes naturais açucarados (ou simples)
200 ml de natas
100 gr de cerejas descaroçadas
50 gr de açúcar (ou 5 gr. de adoçante)
1 colher de sopa de Vodka

Preparação:
Comece por bater as natas. Devem ficar consistentes, mas não muito duras.
No liquidificador misture as cerejas com os iogurtes, o açucar ou adoçante e a Vodka.
Envolva este preparado cuidadosamente nas natas.
Verta tudo para um recipiente com tampa e leve ao congelador.
Passado duas horas, retire o gelado e com um garfo ou batedeira envolva novamente de forma a quebrar todos os cristais de gelo que se tenha formado. Repita esta operação mais uma ou duas vezes. Quanto mais vezes o fizer, mais cremoso fica. Cerca de quinze minutos antes de os servir retire do congelador.
Lave os morangos e retire os pedúnculos. Parta-os em quartos e distribua pelas taças. Polvilhe com açúcar se quiser. Em cada taça coloque, de seguida, uma bola de gelado.

16 de Junho de 2010

O Ruibarbo estreou na minha cozinha - uma espécie de crumble


Já aqui tinha dito que finalmente o ruibarbo entrara na minha cozinha. Esta receita foi a primeira experiência, mas por força das circunstâncias acabou por ser preterida por este Chutney com que participei nos passatempos dos blogues "Eu mulher" e "Doçuras & Belezuras". Bom, então vamos fazer "rewind" até á primeiríssima receita de ruibarbo.  
Já tinha feito algumas pesquisas de receitas e lembrei-me de uma receita postada recentemente no blog das "Three Fat Ladies": um crumble de ruibarbo e de morango. Decidi que para uma primeira experiência um crumble seria a receita ideal. Na ansiedade de deitar mãos à massa, não fui rever a receita e decidi inventar um bocadinho (pronto...mais que um bocadinho!) e acabei por não utilizar qualquer ingrediente que conferisse o aspecto granulado do crumble, mas sim apenas farinhas, açúcar e um toque de chocolate negro. 
Resultado desta pequena aventura: a primeira prova foi a quente, ou melhor os ramequins chegaram ainda mornos à mesa e a primeira impressão foi de dúvida: estaria muito doce? Embora o chocolate ligue bem com qualquer fruta, talvez tivesse sido melhor não o ter acrescentado. Ainda assim, havia qualquer coisa indescritível naquele sabor que me compelia a continuar a comer. Teria que fazer uma segunda prova, desta vez a frio. Muito melhor. O excesso de doce tinha desaparecido, mas tinha permanecido um certo sabor  ...  hummm... fiquei rendida. Não me perguntem exactamente o que me rendeu. Não sei. É qualquer coisa que lá está. É mais que o aroma, que o sabor acidulado. As papilas estalam e apetece comer mais e mais e mais. 

Ingredientes (para 4 ramequins):
1 talo grosso de ruibarbo
125 gr de morangos
Baunilha em pó q.b.

Para o "crumble":
3/4 de chávena de farinha integral
1/2 chávena de farinha de amêndoa
1/2 chávena de açúcar
2 quadradinhos de chocolate negro 70% cacau
1 chávena de café de leite
50 gr de manteiga

Preparação:
Parta o ruibarbo em pedaços pequenos e os morangos em oitavos.
Distribua pelos ramequins.
Coloque todos os ingredientes para o crumble no robot de cozinha e misture. Se optar por retirar o leite ficará com uma massa mais seca e mais parecida com o crumble.
Polvilhe a fruta com baunilha em pó e distribua o crumble pelas tacinhas cobrindo-as completamente.
Leve ao forno pré-aquecido a 180º durante cerca de 25 minutos ou até a cobertura estar tostada (cuidado para a fruta não ferver e extravasar os ramequins - já estão a ver que houve acidente, mas enfim...nada que não aconteça de vez em quando LOL).
Deixe arrefecer e sirva (na minha opinião, é melhor frio do que quente).

14 de Junho de 2010

Almoçar no Escritório - Salada de arroz com batata doce e legumes


Nada mais simples:

Ingredientes:
Arroz cozido q.b.
Batata doce (daquela outra refeição)
Legumes variados cozidos (utilizei uma mistura para saltear da Bonduelle a que acrescentei umas couves de Bruxelas que andavam perdidas no congelador)

Preparação:
Como a batata foi temperada com azeite e picante, optei por me limitar a cozer os legumes em água e sal.

Depois de cozidos escorri muito bem toda a água.
Misturei todos os ingredientes.
E como ainda sobraram batata e legumes, amanhã é vou manter a mesma salada, mas variar a base e substituir o arroz por  lentilhas.

12 de Junho de 2010

Batata doce no micro-ondas


É extraordinário como quando passeamos de blogue em blogue vamos aguçando a nossa curiosidade em relação a alimentos que nos são desconhecidos. Alguns conhecemos de nome ou de ver nas bancas e prateleiras  dos supermercados, mas nem nos atrevemos a pegar. Outros nem isso. Não fazemos ideia da textura, do sabor ou da cor. Da diferença entre o cru e o cozinhado. Mas receita após receita parece que vamos sentido no palato os sabores que aquela amiga blogueira está a partilhar connosco.
Isto tudo a propósito da batata doce.
Desde miúda que ouço falar na batata doce, mas lá em casa não éramos muito adeptos de experiências novas a nível gastronómico, por isso nunca foi alimento que entrasse em minha casa, mas nas minhas rondas por essas cozinhas lá ia aparecendo a batata doce e a minha curiosidade começou a aguçar. Lá teve que ser...tive que comprar a batata doce. Preparei-a de uma forma simples e no microondas.
A final ficou aprovada a batata doce, não porque seja extraordinária de sabor, mas é bastante aceitável e só ficamos a ganhar em acrescentar à variedade.

Ingredientes:
1 batata doce de tamanho médio
1 colher de chá de azeite
Piri-piri q.b.
Sal (utilizei sal aromatizado com alecrim, tomilho, louro e oregãos)

Preparação:
Descasque e corte a batata em cubos.
Coloque-as num recipiente apropriado ao microondas.
Tempere-as com o piri-piri  (utilizei uma massa de malagueta que fiz há uns meses e que guardo no frigorífico) e o sal.
Regue com o azeite e envolva.
Cubra o recipiente com película aderente e fure-a com um garfo.
Leve ao microondas na potência máxima por 3 a 4 minutos.
Deixe descansar por uns minutos antes de retirar do microondas. Retire a película e sirva.

11 de Junho de 2010

Duo de Mousses com cobertura Praliné


Mais uma participação, esta dois em um:
Primeiro junto-me à Belinha para celebrar o 3º aniversário do seu blogue  "Receitas da Belinha Gulosa". É sempre bom ver estes espaços de partilha crescerem e por mim só podia agradecer a simpatia e carinho da Isabel deixando a minha participação no seu desafio. Parabéns Isabel e obrigada pelas visitas! Espero que nos encontremos durante muito tempo nestas visitas de cozinha em cozinha. Como és gulosa (e eu também)  e gostas de chocolate (eu também), resolvi republicar esta receita de Duo de Mousses, já repetente em passatempos, mas que é, definitivamente, uma das minhas preferidas. 

Por coincidência, nesta receita estão incluídos ambos os ingredientes para o "Alquimia de Ingredientes" desta semana: chocolate e nata ou creme de leite. Como se seguem as férias sem possibilidade de criar novas gulodices e sem querer  deixar passar este alquimia de chocolate, fica aqui também a minha participação.


Ingredientes:
Para as mousses:
1 lata de leite condensado
200 ml de nata
2 ovos
30 gr. de chocolate com 70% cacau
1 chávena (pequena) de café expresso
4 folhas de gelatina

Para o praliné:
1 chávena almoçadeira de mistura de amêndoas e avelãs
1 chávena almoçadeira de caramelo
Coco ralado q.b.

Preparação:
O praliné:
Forre um tabuleiro com papel vegetal.
Toste o coco ralado numa frigideira bem quente, mas sem queimar.
Utilizei caramelo que já tinha preparado e levei ao lume para levantar fervura. Ao caramelo junte os frutos secos e o coco ralado. Envolva e espalhe no tabuleiro. 
Deixe arrefecer e triture no robot de cozinha (ou bimby ou picador de gelo).
Se não tiver caramelo preparado faça-o de novo com uma chávena de açúcar e 5 colheres de sopa de água. Leve tudo ao lume num tachinho, meça com uma colher de pau só para ajudar a dissolver o açúcar e a partir daqui não mexa mais. Quando açúcar derreter e atingir o ponto de caramelo envolva os frutos e proceda como acima.

As mousses:
Bata as natas para que ganhem volume, mas sem ficarem muito espessas.
Misture o leite condensado com as gemas.
Junte as natas e envolva.
Demolhe a gelatina em água fria.
Bata as claras em castelo bem firme.
Aqueça um pouco da mistura do leite condensado e dissolva a gelatina.
Junte cuidadosamente ao preparado inicial. 
Divida esta mistura por dois recipientes.
Derreta o chocolate em banho-maria ou no microondas, em potência alta, mexendo a intervalos de 30 segundos até estar derretido, a fim de evitar que o chocolate queime.
A uma metade do preparado junte o chocolate derretido.
À outra metade junte o café.
Divida as claras em duas partes iguais e envolva cada uma delas em cada uma das mousses. Faça-o cuidadosamente, com uma espátula, em movimentos suaves, de baixo para cima, para que as claras não percam ar.
Distribua a mousse por taças individuais: comece por encher metade das taças com a mousse de chocolate e complete com a mousse de café.
Polvilhe com uma quantidade generosa de praliné.

Bolo de maçã e coco

As tão almejadas férias estão à porta. Algumas mensagens estão já agendadas para serem publicadas durante a próxima semana, de resto o blogue vai descansar uns dias também, mas como os dias que antecedem as férias são sempre de alguma azáfama, decidi dedicar este dia às participações em passatempos. 
Começo pelo "Concurso Coco", uma parceria entre o blogue da  "Luísa Alexandra" e o "Dama de Copas".
Esta receita já aqui tinha sido publicada. Foi uma entre várias dedicadas à maçã. Fica aqui novamente, mas com uma apresentação diferente. 

Ingredientes:
O Bolo (segundo receita daqui):
4 ovos
100 gr. de açúcar
100 gr. de farinha
Manteiga e farinha q.b.

O recheio:
6 maçãs
4 colheres de sopa de coco ralado + coco para polvilhar
4 colheres de sopa de açucar

Preparação:
Comece por preparar o recheio, levando ao lume, numa frigideira, as maçãs, descaroçadas, descascadas e partidas em cubos. Polvilhe com o coco ralado e o açúcar. Deixe caramelizar lentamente até a maçã estar mole.
Transfira o preparado para um copo alto ou outro recipiente e triture grosseiramente com a varinha mágica.
Deixe arrefecer e entretanto prepare a base do bolo:
Bata os ovos com o açúcar durante oito minutos, com a  batedeira a velocidade alta.
Misture a farinha com cuidado.
Verta o preparado para uma forma rectangular, untada com manteiga e polvilhada com farinha e leve ao forno pré-aquecido a 200º, até ficar firmo no centro (no meu forno foram cerca de 10 minutos).
Retire a forma do forno e desenforme para uma grade de bolos.
Deixe arrefecer e apare as bordas dos bolo e divida-o em duas partes.
Barre  uma das metades com parte do creme de maçã e polvilhe com coco ralado. Sobreponha a outra metade e cubra todo o bolo com o restante creme. Polvilhe com mais coco ralado.

10 de Junho de 2010

Banana Flambejada em Licor de Laranja


Ingredientes (por pessoa):
1 folha de crepe (ver receita)
1 banana da Madeira, não muito madura
2 colheres de sopa de açúcar
1/8 de chávena  + 1 colher de sopa de licor de laranja

Preparação:
Descasque a banana e retire os fios.
Numa frigideira aqueça o açúcar com a colher de sopa de licor.
Quando começar a caramelizar junte a banana e envolva de forma a ficar completamente coberta de açúcar.
Regue a banana com o restante licor, ateie-lhe fogo (com cuidado para não se queimar, nem provocar nenhum acidente) e deixe evaporar todo o álcool até o lume se apagar.
Coloque a banana no meio do crepe, feche-o e regue com calda de licor (e porque não acrescentar molho de chocolate?).

8 de Junho de 2010

Batata frita no forno



Batata frita é coisa rara em minha casa. De vez em quando lá sucumbo à tentação, mas um pacote das pré-congeladas resiste meses no meu congelador.
Ontem, para uma refeição ligeira de peru grelhado decidi acabar com um resto de um pacote que ocupava espaço que precisava de libertar. Para evitar os fritos, levei-as ao forno: num pirex pequeno deitei uma malagueta seca desfeita e uma colher de sobremesa de azeite. Espalhei as batatas no pirex. Polvilhei com sal aromatizado com tomilho, oregãos, louro e alecrim e envolvi-as no azeite.
À parte preparei outro pirex de igual forma, mas com cenoura baby e couves de Bruxelas.
Foi tudo ao forno pré-aquecido a 200º, dando uma volta ás batatas e aos legumes, de vez em quando.
As batatas ficaram estaladiças e muito saborosas. 

6 de Junho de 2010

Chutney de Ruibarbo e Maçã



Provavelmente muito graças à blogosfera vamos encontrando nos supermercados ingredientes que até há bem pouco tempo eram uma raridade. Exemplo disso é o ruibarbo. Tanto se tem escrito de bom acerca dele, que eu andava louca por provar essa dita delicia. O mal é que não havia maneira de encontrar o ruibarbo em lado nenhum. Até que um dia destes estava eu no supermercado a abastecer-me de legumes para as minhas saladas de almoço quando vejo um cesto cheio de talos rosados. Finalmente tinha encontrado o ruibarbo. Só vos digo que o entusiasmo foi tanto que não pensei em mais nada a não ser ir para casa com a minha novidade. De tal maneira que, quando cheguei a casa dei conta que não tinha comprado nem metade das coisas que precisava. Enfim...
A receita de estreia não foi esta que agora apresento, essa deixarei aqui mais tarde, bem como as sensações que tive ao provar esse talo rosado. A questão é que entretanto tinha eu comprado mais ruibarbo para fazer uma tarte de ruibarbo e maçã (mais uma receita que postarei mais tarde), quando o blog "Eu Mulher"  lança novo desafio "Alquimia de Ingredientes" em que os sabores escolhidos eram o Cravo e a Canela e de imediato pensei: "Ora, então, e porque não? Uma receita doce e uma receita salgada!"   
Gosto de sabores ácidos, mas nem tanto. Infelizmente os chutneys enquadram-se mais depressa dentro desta categoria do "nem tanto", devido à acidez conferida pelo vinagre, por isso quando os preparo prefiro substituir todo, ou quase todo, o vinagre por vinho. Escolha um vinho maduro e de boa qualidade. Actualmente não faltam no mercado boas marcas a preços bastante acessíveis.
Este é também o meu presenta para a Belinha

Ingredientes:
1 maçã cortada em cubos
1 chávena de ruibarbo partido em pedaços de cerca de 1 cm
1 cebola pequena picada
1 dente de alho picado
1 pau de canela
2 cravinhos
1/2 chávena de açúcar mascavado
1 pitada de Flor de Sal
1 pontinha de malagueta seca (ou pimenta se preferirem)
2 colheres de sopa de vinagre balsâmico
1 chávena de vinho tinto

Preparação:
Junte todos os ingredientes num tacho e leve a lume forte até ferver.
Quando levantar fervura reduza o lume para o mínimo e deixe cozer durante 50 a 60 minutos até reduzir o liquido.
Deixe arrefecer.
Verta o chutney para um frasco esterilizado e guarde no frigorífico.
Quanto mais tempo, mais intenso fica o seu sabor, havendo mesmo quem aconselhe a aguardar cerca de dois meses antes de abrir o frasco.

Sirva como acompanhamento de carnes.


5 de Junho de 2010

Larocas, Iscas e Pataniscas


Como prometido, aqui estão as larocas/pataniscas/iscas de bacalhau que referi neste post.
Embora haja tentação para considerar que iscas e pataniscas são dois nomes para o mesmo pitéu, a verdade é que são coisas diferentes: a patanisca é mais fina e crocante, a isca mais fofa e dobrada. Na patanisca mistura-se o bacalhau no polme da fritura, na isca vai o polme à sertã e no meio coloca-se uma boa lasca de bacalhau - uma isca - e dobra-se o polme à semelhança de uma omelete. Quanto ao polme pode ser o mesmo quer para as iscas, quer para as pataniscas, mas há quem aí também lhes encontre a diferença: para as iscas acrescenta-se ao polme de farinha, água e ovos, cebola e salsa picadas e para as pataniscas usa-se o polme base sem nenhum desses acrescentos. Há quem aprecie mais as iscas e quem aprecie mais as pataniscas. Eu aprecio ambas e ambas com salsa e cebola. 
Seja como for, iscas ou pataniscas, para mim serão sempre "larocas". Eram um pitéu comum na minha infância e era assim que as chamavam lá em casa - larocas -, escorridas em papel mata borrão e vindas da tasca gerida pelos meus avós paternos onde havia um balcão corrido e se servia copo a vinho tirado directamente da pipa guardada no compartimento ao lado e separado da sala de acesso público por uma porta de vai-vém. 
Foi uma grande descoberta quando, anos mais tarde, nessas idades em que começamos a descobrir que o que para nós eram certezas e verdades tão simples, não o eram para os outros,  percebi que ninguém sabia o que era uma laroca, porque todos as conheciam por iscas ou pataniscas. Confesso que me senti um pouco desiludida, porque a "ignorância" dos outros e a sua certeza de que o que é do conhecimento geral é que é correcto, parecia ter retirado um pouco do sabor mágico à laroca, reduzindo-a á generalidade das iscas e pataniscas. A desilusão passou e acabou por se transformar no saborzinho a vitória de saber o que mais ninguém sabia. Mas deixando as palavras e passando aos sabores foram estas as pataniscas que foram à mesa acompanhadas de um arroz de feijão vermelho bem malandrinho e ligeiramente picante:

Ingredientes (para 6 a 8 larocas):
1 chávena de farinha trigo
1 ovo
1 1/4 chávena de água
200 gr. de bacalhau desfiado, cozido
1 cebola pequena
Salsa q.b.
Óleo q.b.
Sal e pimenta q.b. se necessário

Preparação:
Pique a cebola e a salsa.
Numa tigela misture a farinha e o ovo.
Acrescente a água. Se tiver cozido o bacalhau no momento utilize a água de cozedura do mesmo.
Misture bem com a colher de pau ou vara de arames. O polme não deve ficar nem muito liquido, nem muito grosso. 
Junte a cebola e a salsa picadas e o bacalhau. Por mim não gosto do bacalhau muito moído, mas é ao gosto de cada um.
Aqueça o óleo numa frigideira larga e vá juntando colheradas do polme de bacalhau. Deixe fritar de ambos os lados até as larocas ficarem bem douradinhas e retire para um prato coberto com papel absorvente.
O polme destas foi feito por mim, mas a fritura foi feita pelo mestre dos churrascos que mais uma vez deu aqui mostras de bem lidar com os tachos e panelas e o duo, modéstia à parte, foi perfeito: as larocas ficaram bem saborosas e nada gordurosas.  

3 de Junho de 2010

Taça de Meloa e Morangos


Porque hoje é feriado e porque o Verão está aí e porque não queremos passar horas na cozinha a elaborar pratos complicados e trabalhosos que fazem os olhos saltar e aguçam o paladar, mesmo só de ver. Queremos arejar, simplificar, minimizar e, se possível, saborear o calor, o sol, o céu numa frescura que corta o calor que nos quebra o corpo.

Ingredientes (2 doses):
1 meloa pequena
Morangos q.b.
2 colheres de sopa de vinho do Porto
Açúcar em pó q.b.

Preparação:
Lave bem as meloas e parta-as ao meio.
Com cuidado remova o máximo de polpa que conseguir sem danificar a casca. Se tiver uma colher para dar a forma de bolas à fruta, utilize-a.
Reserve 4 morangos e parta os restantes e a polpa da meloa em  pedaços pequenos.
Pouse cada metade da casca da meloa no seu prato com a concavidade voltada para cima. Encha-as com a polpa da fruta e regue cada uma delas com uma colher de sopa de vinho do Porto. 
Corte a meio os morangos que reservou.
Passe cada metade em açúcar em pó e coloque quatro metades em cada prato como se as metades do morango fossem os pés da taça formada pela meloa. 
Usando um passador de rede fina polvilhe a fruta e o prato com açúcar em pó.

Nutrição: Meloa: é constituída principalmente por água. Tem um valor energético muito baixo e elevado conteúdo de pectina, que é uma fibra solúvel, de vitamina C e carotenos. São mais ricas nestas vitaminas as variedades com uma coloração laranja ou amarela.  Morango tem um baixo valor energético e um bom teor de vitamina C, ácido fólico, fitonutrientes e ácidos orgânicos, sendo, por isso, um excelente antioxidante. É rico em minerais, como o potássio e o magnésio, entre outros.  Tem um teor de fibra moderado

1 de Junho de 2010

Almoçar no Escritório - Salada de arroz com ovo e espargos



Mais uma sugestão para um almoço de trabalho ou para uma refeição rápida.

Ingredientes:
4 colheres de sopa de arroz cozido (utilizei arroz branco com cenoura e tomate)
5 espargos verdes
1 ovo
5 tomates cereja
Azeite q.b.
1 colher de café de gengibre em pó q.b.

Preparação:
Prepare os espargos, retirando as partes fibrosas e raspando o caule.
Coza em água fervente com sal por cerca de 3 minutos.
Parta-os em pedaços generosos, deixando as pontas inteiras.
Bata o ovo.
Numa frigideira anti aderente aqueça um fio de azeite e salteie os espargos.
Acrescente um pouco mais de azeite.
Junte o ovo e mexa.
Estando o ovo ainda meio cru acrescente o arroz.
Envolva tudo com uma colher de pau até o ovo estar seco.
Polvilhe com o gengibre.
Acrescente os tomates cereja.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...