17 de julho de 2017

Polenta de pequeno almoço

 
 
Confesso que me admirei com o ingrediente que a Marta escolheu para o desafio deste mês: o milho. É que quando penso em milho vem-me logo á ideia a controversa dos transgénicos e por isso não é um ingrediente que use muito o ano todo. Normalmente fica reservado para as saladas de Verão e uso-o sobretudo sob a forma de congelado ou enlatado, isto se não falar da famosa Maizena, que mais não é que amido de milho.
Porque o tema surgiu acabei por refletir na injustiça que lhe tenho feito. Afinal o milho está enraizado na nossa cultura popular. Os campos de milho abundam e sempre abundaram muito antes ainda da tal polémica e com ele se faz a tão famosa e deliciosa broa de milho, de que me ainda lembro de as ver enormes sobre o balcão da mercearia e a ser vendida pedaço a pedaço, com uma côdea bem forte que eu adorava. Nas Beiras adoça as mesas com as papas de carolo e além de alimentar as mesas, alimenta as tradições com as desfolhadas que ainda se fazem pelas eiras e quinteiros do nosso Portugal rural. E até direito teve a ser eternizado numa canção, pela voz da poderosa Simone de Oliveira, que pelo do pouco que me lembro também teve o seu quê de polémico.
Bom, justiça feita ao nosso milho, aproveitei para alargar o meu horizonte gastronómico e escolhi a farinha de milho com ingrediente para fazer uma polenta cremosa de pequeno-almoço.
É uma receita fácil, mas demorada porque a farinha de milho requer tempo para ser hidratada e cozinhar, mas valeu a pena e tal como as papas de aveia ou de trigo sarraceno ou de millet permitem uma variedade considerável de variações. 


(Fonte: Heartbeet Kitchen)
Ingredientes:
1/2 chávena de farinha de milho (da mais grossa)
2 chávenas de leite de amêndoa (+ 1/3 de chávena)
1 pitada de sal
1 pitada de canela (opcional)
1 colher de chá de macca
2 colheres de chá de mel
Mirtilos a gosto
Iogurte natural
Topings a gosto (granola, frutos secos, sementes) - opcional

Preparação:
Comece por colocar os mirtilos num tachinho com 1 colher de chá de mel e leve a lume médio/brando, mexendo de vez em quando até os mirtilos se começarem a desfazer ligeiramente. Reserve.
Misture muito bem a farinha com a canela e a macca (o pó de macca é muito fininho e cria grumos com muita facilidade).
Num tacho junte as 2 chávenas de a bebida de amêndoa, o sal, 1 colher de chá de mel e a farinha de milho.
Deixe levantar fervura, mexendo sempre sem parar, para evitar que se criem grumos.
Reduza o lume para o mínimo e deixe cozinhar, mexendo de vez em quando. A polenta deve continuar a ferver ligeiramente, soltando pequenas bolhas durante cerca de 30 minutos.
Quando ao mexer a polenta deixar de agarrar às laterais do tacho, está pronta.
Retire e junte o restante leite de amêndoa, mexendo para se tornar mais cremosa.
Sirva de imediato com a compota de mirtilos e topings a gosto.

Nota: pode preparar de véspera e aquecer na hora de servir juntando mais um pouco de leite de amêndoa, mas como a polenta tende a endurecer ficará sempre menos cremosa e macia.
 
 

7 de julho de 2017

Rosti de vegetais


Daqueles dias em que se folheia um livro de receitas, a cheirar a novo, e nos deixamos levar pelas imagens ou pela descrição e marcamos na memória aquelas que nos parecem perfeitas. Daqueles dias em que nos apetece algo de novo, leve, fresco. Daqueles dias em que aquelas receitas nos voltam à memória e que percebemos que é desta que as vamos experimentar.
Foi assim com este "rosti" que mereciam antes de ser chamados de bolinhos, porque não ficaram tão crocantes quanto deviam, mas ficaram tão saborosos e, surpreendentemente, aprovados por todos, que cheguei à conclusão que o nome é o de somenos importância.


(Fonte: "Home Cooking", de Lorraine Pascale)
Ingredientes:
1 nabo
1 cenoura
1/2 curgete
50 gr. de farinha de trigo
1 ovo
Sal e pimenta a gosto (não uso pimenta)
2 hastes de tomilho (só as folhas)
Azeite q.b.

Preparação:
Pré-aqueça o forno a 180º.
Descasque a cenoura e o nabo e rale.
Lave bem a casca da curgete e rale.
Junte os legumes todos numa taça, tempere com sal e pimenta a gosto e com as folhas de tomilho.
Polvilhe com a farinha, junte o ovo ligeiramente batido e envolva tudo muito bem.
Forme bolinhos espalmadas (esta quantidade rendeu 8 pequenos) e frite-os num fio de azeite, de ambos os lados, durante cerca de 3-4 minutos.
Transfira-os para um tabuleiro de forno forrado com papel vegetal e leve-os a assar por cerca de 15 a 20 minutos, até estarem dourados e completamente cozinhados.

1 de julho de 2017

Gelado de ameixas assadas e coco






O mês é para abrir com gelados de fruta, dizem-me do grupo "Dia 1 na Cozinha". Então assim seja, mesmo que Verão ande incerto entre dias tórridos e dias de autêntica Primavera.
O gelado que vos trago não é muito doce, porque a ameixa quando cozinha tende a amargar. Para quem goste de doces "pouco doces" é uma boa sugestão, para quem goste um bom docinho então sugiro que acrescente açúcar às ameixas quando forem a assar. Também pode substituir o iogurte natural simples, por iogurte açucarado (normal ou grego) ou por iogurte de coco, já que este ingrediente também está presente.
 
Bom mês de Julho!


Ingredientes:
1 chávena de ameixas de S. João descaroçadas
1 colher de sopa de vinho do Porto
2 colheres de sobremesa de geleia de arroz (ou mel, mas a geleia de arroz é mais doce)
1/2 iogurte natural (ou açucarado ou grego ou de coco)
2 colheres de sopa de coco ralado

Preparação:
Leve as ameixas, misturadas com o vinho do Porto a assar em forno pré-aquecido a 200º, até os sucos começarem a caramelizar. Retire do forno e deixe arrefecer.
Quando arrefecer completamente junte os restantes ingredientes e misture com a varinha mágica até obter uma polpa cremosa.
Distribua pelas forminhas de gelado e leve ao congelador até solidificarem.
Para desenformar passe a forminha por água quente.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...