10 de fevereiro de 2012

Creme de legumes com ervilhas e uma convidada especial para jantar



"No pátio, Clarissa senta-se nas bordas do tanque e começa a riscar com o dedo a superfície da água azulada. Escreve nomes. Clarissa, titia, Tonico, Dudu. Mas o brinquedo logo a enfastia. Com um tapa corta a água, que se encrespa em ondas minúsculas. Clarissa põe-se a rir: tem a impressão de que o céu dança, as nuvens dançam, a luz dança na água agitada...
De súbito começa a gritar e a correr, pondo em pânico as galinhas. Cacarejando, a bicharia foge, num bater de asas.
Cansada, Clarissa pára ofegante, deita-se no chão, de costas, à sombra de um pessegueiro. Como está morna a terra, e como é áspera e dura... Espreguiça-se. Tem as faces avermelhadas. sorri ainda. Os seus seios se agitam. Fica olhando, muito atenta para as formigas que vão e vêm em duas filas, longas, cada qual a carregar o seu fardo.
Será que as formigas têm língua como a gente? Oh! Claro que têm. Clarissa observa... De quando em quando duas formiguinhas - uma que vem, outra que vai - param, aproximam-se e ficam quietas por um instante uma na frente da outra. Que será que estão fazendo? Naturalmente conversando. E que dirão?
"Boa tarde, comadre."
"Boa tarde. Tem trabalhado muito?"
"Tenho. Veja só o que vou carregando nas costas."
"Oh! A senhora é muito forte..."
"Como vai a família?"
Quanta coisa se podem dizer as formigas...
(...)
Clarissa ergue os olhos.
Como está bonito o pessegueiro todo pintalgado de flores cor-de-rosa contra o céu azul! Através dos ramos, ela olha as nuvens que bóiam no ar, como frocos de algodão. Ou como velas de grandes navios?
Clarissa ergue-se com uma repentina vontade de correr mais, muito mais... Como é boa a vida, meu Deus! E este sol, este sol, este sol!"
                               in "Clarissa", Obras de Erico Verissimo, Colecção Literatura Universal, Ambar


Deparei-me com Clarissa ao virar da esquina, no corre corre de um dia movimentado da baixa do Porto. Ía a pensar para com os meus botões que já sentia saudades daquela correria de gente pelas ruas da cidade, tal qual formiguinhas e, nesse preciso momento, ao dobrar a R. de Stª Catarina para a Rua Formosa, dei de caras com ela. Por momentos ficamos estranhas, a reconhecer um olhar antigo mas sem saber de onde. Depois novamente a ideia das formiguinhas e... fez-se luz:
- "Clarissa! Há quanto tempo!"
O resto de Clarissa iluminou-se:
- Oh! Quase não te reconhecia... Estás diferente, mas ... igual. - Exclamou naquele sotaque cantante.
Rimos com alegria.
- Que bom encontrar-te! - continuou ela, e eu:
- Digo o mesmo. Acreditas que vinha aqui a pensar que as pessoas parecem formigas e de repente..."
Clarissa desatou numa gargalhada sonora. Gargalhada da menina que apreciava a natureza, o sol, os animais, que vibrava com uma flor, com um peixinho no aquário e com as formiguinhas atarefadas. Não me contive e ri também. Convidei-a para jantar para pormos a conversa em dia. O dia estava solarengo, mas frio. Achei que vinda do calor do Brasil para o frio deste inverno português uma sopa bem quente seria um manjar reconfortante. Quantas "formiguices" teríamos para contar ... !

O texto da "conversa das formigas" fazia parte de um dos meus livros de leitura da escola primária. Não sei exactamente o que nele me cativou, mas até aos dias de hoje ele vem-me à memória sempre que vejo um carreiro de formigas. Clarissa, foi assim, a minha primeira convidada deste projecto da Ana: "Convidei para jantar", em que todos os meses nos desafia a preparar um jantar para um convidado especial e que este mês deverá ser uma personagem de livros ou filmes.

 Ingredientes:
1 alho francês
100 gr de abóbora
1 cenoura pequena
2 dentes de alho
200 gr. de ervilhas
1 rodela de chouriço
1 caldo de legumes caseiro
Ervilhas tortas q.b.
Sal q.b.
Azeite q.b.



Preparação:
Tradicional:
Corte a parte branca do alho francês e a cenoura em rodelas e a abóbora em cubos.
Coloque os legumes numa panela, juntamente com as ervilhas, os dentes de alho esmagados, o chouriço e o caldo de legumes.
Cubra com água e leve a cozer em lume médio/forte.
Entretanto prepare as ervilhas tortas e coza ao vapor.
Estando os legumes da sopa cozidos triture-os com a varinha mágica (o chouriço também) até obter um creme macio sem vestígios da casca das ervilhas. Se necessário passe por um passador (eu gosto de utilizar o passador chinês).
Rectifique o sal e verifique a consistência do creme. Se necessário acrescente água quente a gosto e regue com um fio de azeite.
Se acrescentar água fria deverá deixar ferver novamente.
Sirva com as ervilhas tortas e bocadinhos de pão tostado com manteiga.
Bimby:
Corte a parte branca do alho francês e a cenoura em rodelas e a abóbora em cubos.
Coloque os legumes, juntamente com as ervilhas, os dentes de alho esmagados, o chouriço e o caldo de legumes no copo da bimby.
Acrescente um litro de água.
Coloque na varoma as ervilhas trotas.
Programe: varoma/25 minutos/colher inversa.
No fim, retire a varoma, coloque o copinho e triture 3-5-7-9 até obter um creme macio, sem vestígios da casca das ervilhas.
Rectifique o sal e verifique a consistência do creme. Se necessário acrescente água quente e misture na velocidade 5 durante alguns segundos.
Se acrescentar água fria programe: 100º/7 minutos/vel.1.
Regue com um fio de azeite e sirva com as ervilhas tortas e bocadinhos de pão tostado com manteiga.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...