21 de outubro de 2010

Bolo de iogurte e maçã


- Andava com vontade de utilizar umas maçãs que começavam a enfezar na fruteira sem ninguém lhes dar uso.
- Andava com vontade de experimentar uma dica que vi no livro "Receitas para viver melhor lidando com o Colesterol", que indicava um substituto para os ovos na confecção de bolos:  reduz-se o o número de ovos de uma receita para apenas 2 ovos e substituindo cada um dos restantes por: 1 colher de sopa de leite + 1/2 colher de sopa de sumo de limão+1/2 colher de sopa de bicarbonato de sódio.
- Andava com vontade de experimentar um bolo na MFP.
Então:
- Porque não um bolo de maçã?
- Então se vou fazer um bolo, porque não experimentar esta dica?
- Os programas da minha MFP (da Taurus, passando a publicidade) não coincidiam com os que normalmente são indicados nas receitas. Achei que era capaz de sair uma grande bodegada, por isso, já que tinha o forno ligado, era melhor o método tradicional. Depois estudo esta questão dos programas.

Lancei mãos à obra. O resultado foi um bolo bem húmido, com uma deliciosa capa caramelizada e apesar de o bolo de maçã fazer lembrar os dias pequenos e frescos do Outono, este sabe muito melhor se for servido bem frio.

Ingredientes:
2 ovos
1 iogurte
2 copos (medidos pelo de iogurte) de açúcar + 2 a 3 colheres de sopa
2 copos (medidos pelo de iogurte) de farinha
2 maçãs
1 colher de sopa de fermento
2 colheres de sopa de leite
1 colher de sumo de limão
1 colher de bicarbonato de sódio
Calda para humedecer

Preparação:
Numa taça pequena comece por deitar o leite, acrescente o sumo de limão e misture o bicarbonato. Deixe repousar. 
Descasque as maçãs e pique uma delas, partindo a outra em fatias finas. Reserve (regue com sumo de limão para não oxidarem).
Numa taça grande misture bem os ovos, a maçã picada, o açúcar, a farinha, o substituto dos ovos e o fermento.
Distribua a maçã fatiada pelo fundo de uma forma e polvilhe com açúcar. Verta a massa do bolo e leve a forno pré-aquecido. Normalmente pré-aqueço a 180º, diminuindo para 170º ao fim de 20 minutos. Neste caso, e porque no forno estava já uma quiche a assar, arrisquei a iniciar nos 200º por 20 minutos e diminui para os 180º, deixando cozer por mais 15 minutos. O bolo ficou com uma cor mais tostada que o habitual, mas não queimado, nem seco.
Regue com 1/2 chávena de calda de açúcar leve ou de geleia de fruta dissolvida em água quente.
Deixe arrefecer e leve ao frigorífico para ficar bem fresco antes de servir.

Para cozer o bolo usei uma forma de silicone e cheguei à conclusão que estas formas, tão práticas, estão proibidas cá em casa: estava ainda o bolo no forno e já se perguntava insistentemente o que é que cheirava tão bem. Saído do forno não adiantou explicar que era necessário que o bolo arrefecesse completamente para desenformar. A pressão foi tanta que acabei por tentar desenformar o bolo quente. O resultado já se imagina, uma parte do bolo ficou agarrada na forma, mas lá consegui reconstitui-lo e servir uma tão almejada fatia. O que vêm na foto é a parte do bolo que não sofreu danos.O resultado foi um bolo bastante húmido, embora com a massa mais densa e eu goste mesmo é daqueles bolos muito leves, mas lá diz o ditado que "o que é doce nunca amargou".
Enviar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...