8 de maio de 2015

Das cascas

 
 
Sim, hoje é das cascas que se fala e cascas que se comem. Desde que os supermercados passaram a ser a principal fonte de abastecimento dos legumes que consumimos e os quintais foram acabando (felizmente, hoje já se nota uma certa inversão com as hortas nas varandas, as hortas urbanas e com muita gente jovem a dedicar-se à agricultura), que nos habituamos a que os legumes chegassem limpos às nossas cozinhas: beterrabas, cenouras e nabos (estes nem sempre) sem rama, brócolos e couve-flor limpos de folhas externas e como se não bastasse, quantas vezes deitamos no lixo essas ramas e outras cascas, ricas em nutrientes, que poderiam ser devidamente aproveitadas. Podendo cozinhar os alimento inteiros faço-o, mas não podendo (batata cozida ou assada com casca, sim, mas na sopa não...), faço mea culpa, acabam muitas vezes no lixo, mas formas de as aproveitar não faltam: podem enriquecer os estufados de legumes, rechear uma tortilha, transformar-se em pataniscas ou panquecas de legumes ou simplesmente enriquecer a base de uma sopa e as cascas de batata, fritas ou assadas no forno até ficarem crocantes, fazem um petisco para acompanhar uma cerveja fresca no Verão.
No livro "Cascas, Talos, Folhas e Outros Tesouros Nutricionais", de Alexandre Fernandes existem muitas receitas criativas com o uso dessas partes rejeitadas dos vegetais, mas a minha inspiração de hoje passou pela lembrança do uso das cascas das favas que vi no "Tertúlia de Sabores" e no "Outras Comidas". Imprescindível é que as favas sejam novas, de casca ainda macia.
Se a sopa ficar mais liquida podem sempre usá-la como base para outros cremes de legumes: basta acrescentarem o que quiserem, cozer e triturar: beterraba, brócolos, ervilhas, alho francês, etc.



Ingredientes:
Cascas de favas
Casca de 1 fatia de abóbora
Casca de 1 curgete
1 cebola
1 dente de alho
Bacon a gosto
Sal q.b.
Azeite q.b.
Água ou caldo de legumes q.b.

Preparação:
Tradicional:
Quando descascar as favas retire o fio lateral como faz ao feijão verde.
Corte todas as cascas em pedaços pequenos.
Numa panela refogue a cebola picada juntamente com o dente de alho e o bacon.
Quando a cebola ficar transparente acrescente a casaca de abóbora envolva e deixe suar (com  a tampa colocada) 2 ou 3 minutos. 
Acrescente água e deixe cozer durante cerca de 10 minutos.
Findo esse tempo, acrescente as restantes cascas e água ou caldo suficiente, mas sem cobrir completamente as cascas.
Tempere de sal e deixe cozer em lume médio/alto mais 10 minutos ou até as cascas estarem suficientemente macias paras serem trituradas.
Triture com a varinha mágica, se estiver demasiado grossa, acrescente água.
Se encontrar algum filamento de casca passe a sopa por um coador (gosto de usar um assim). Retifique os temperos.
Bimby:
Coloque no copo a cebola cortada em quatro, o dente de alho e o bacon e regue com um fio de azeite.
Triture 5 seg./vel. 5 e com a espátula baixa os residuos que ficaram na parede do copo. Refogue: 5 min./100º/vel. 1.
Junte a casca de abóbora e cubra com 1 chávena de água e programe 10 min./100º/vel.1.
Junte, de seguida, as restantes cascas e acrescente água ou caldo, mas de forma a que as cascas não fiquem completamente cobertas. Programe 10 min/100º/vel.1.
No fim triture, progressivamente, 3-5-7-8.
Mesmo com a bimby pode acontecer que se fique a notar algum filamento ou fio da casca da fava que nos tenha escapado, por isso acrescente água quente ou caldo se achar que a sopa está demasiado grossa e passe-a por um coador (gosto de usar um assim). Retifique os temperos.
Enviar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...