29 de janeiro de 2013

Costelinha ao vinho



Os estufados são sempre muito apreciados lá por casa. São pratos quentes para aquecerem os dias de Inverno e apuram com o passar das horas, por isso são confeccionados em quantidade extra para sobrarem para o dia seguinte.
Ingredientes:
1,5 kg costela mendinha
0,5 kg de batata pequena
1/2 chávena de ervilhas
1/4 de chouriço de vinho
1 cebola
1 cenoura
2 folhas de louro
3 dentes de alho grandes
1 colher de sopa de massa de pimentão
0,5 lt de vinho tinto de boa qualidade
Azeite q.b.
Sal q.b.
Farinha q.b.

Preparação:
Comece por fazer uma marinada com o vinho, 1 folha de louro, 2 dentes de alho picado e a massa de pimentão.
Coloque a carne já cortada em pedaços e limpa da maior parte das gorduras num recipiente e regue com a marinada. Tape e leve ao frigorifico de um dia para o outro ou durante 3 a 4 horas.
Retire a carne da marinada, que deve reservar, e seque-a com papel de cozinha. Envolva alguns pedaços mais magros em farinha (este processo vai ajudar a engrossar o molho, mas pode dispensá-lo) .
Deite azeite num tacho largo e vá colocando os pedaços de carne, primeiro os mais gordos e com a gordura para baixo e depois os mais magros, alourando-os de todos os lados. Retire para um prato e reserve.
Junte mais um pouco de azeite e acrescente a cebola em meias luas, juntamente com o restante louro, o dente de alho esmagado, o chouriço às rodelas e a cenoura devidamente lavada, descascada e cortada também em rodelas.
Deixe refogar lentamente até amolecer a cebola.
Acrescente a carne, envolva e regue com a marinada reservada. Deixe cozer em lume médio/brando, não deixando secar o molho. Acrescente água se necessário.
Ao fim de 30/40 minutos, acrescente as batatinhas descascadas e as ervilhas. Prove o molho e tempere de sal, se necessário.
Deixe cozer as batatas, vigiando para que o molho não seque.
Sirva com fatias de pão de rústico tostado ao lado para acompanhar o molho (pode omitir a batata e servir apenas com o pão).

26 de janeiro de 2013

Projecto Marmita - Semana 4/2013


Lanche da manhã
Almoço
Lanche da tarde
Segunda-feira
1 pêra + 1 fatia de pão de cevada
Sopa de couve branca +  Salada de arroz, legumes e atum + 1 gelatina
1º – 1 tangerina e 1 iogurte natural
2º - Chá + 1 fatia de pão de cevada
Terça-feira
1 pêra + 1 fatia de pão de cevada
Sopa de couve branca +  carne estufada com batata e feijão verde e salada de rúcula, maçã e passa + 1 gelatina
1º – 1 kiwi e 1 iogurte natural
2º - Chá + 1 fatia de pão de cevada
Quarta-feira
1 pêra + 1 fatia de pão de cevada
Sopa de couve branca +  carne estufada com batata e feijão verde
1º – 1 tangerina e 1 iogurte natural
2º - Chá + 1 fatia de pão de cevada
Quinta-feira
1 banana + 1 fatia de pão de cevada
Creme de ervilhas com quinoa + Mistura de legumes salteados com miolo de camarão + 1 gelatina
1º – 1 kiwi e 1 iogurte natural
2º - Chá + 1 fatia de pão de cevada
Sexta-feira
1 banana + 1 fatia de pão de cevada
Creme de ervilhas com quinoa + Caldeirada de peixe + 1 gelatina
1º – tangerina e 1 iogurte natural
2º - Chá + 1 fatia de pão de cevada


Uma semana calma com marmitas fáceis.
Segunda-feira – A um simples arroz branco, misturei o conteúdo de ½ lata de atum ao natural  e alguns legumes cozidos: cenoura, ervilhas e milho para uma salada diferente. Terça-feira– o jantar de véspera: carne estufada com batata e feijão-verde, que acompanhei com uma salada fria para incrementar a quantidade de legumes. Quarta-feira – Ainda a carne estufada. Quinta-feira – Uma mistura de legumes chineses salteada em azeite, temperada com molho de soja e miolo de camarão. Sexta-feira – O jantar de ontem: caldeira de peixe.
Sopas da semana: Sopa de couve branca e creme de ervilhas a que acrescentei uma colher de sopa de quinoa cozida e uma sobremesa: um “pudim” de gelatina: gelatina de pêssego com  iogurte natural, morangos e baunilha. Lanches: fruta, pão de cevada, amêndoas com pele e iogurtes naturais. Chá de cavalinha e de frutos vermelhos.
SABIA QUE as ervilhas contêm proteínas incompletas, por isso, para tirarmos o melhor proveito nutricional delas, devemos combiná-las com um cereal.

25 de janeiro de 2013

Puré de cenoura e couve-flor



Foi um dos melhores acompanhamentos que fiz ultimamente. Adoro carnes estufadas com puré, mas queria reduzir o teor de hidratos de um puré de batata tradicional, então, à semelhança de um puré de abóbora, fiz este, de couve-flor e cenoura. No momento de triturar juntei-lhe um punhado de folhas de salsa que lhe deu um sabor muito bom e além de acompanhar bem as carnes estufados, fica perfeito com cebolinhas novas grelhadas. O que sobrar pode ser congelado, depois só tem que descongelar na prateleira mais baixa do frigorífico e, enquanto aquece, mexer bem com a colher-de-pau ou vara de arames. Por poder ser congelado é óptimo para levar na marmita.
Ingredientes:
1 couve-flor média (cerca de 300 gr.)
2 cenouras
Água q.b.
Leite q.b.
1 colher de sopa de manteiga
Sal q.b.
Algumas folhas de salsa

Preparação:
Tradicional:
Descasque as cenouras e corte-as em rodelas. Separe os raminhos de couve-flor e lave muito bem.
Leve a cozer num tacho com água e sal.
Quando os legumes estiverem macios, coe a água, junte-lhe as folhas de salsa e triture-os com a varinha mágica ou liquidificador até ficar com a consistência de puré e sem grumos, Junte a manteiga e um pouco de leite, mexendo sempre até obter a consistência desejada.

Bimby:
Descasque as cenouras e corte-as em rodelas. Separe os raminhos de couve-flor e lave muito bem.
Coloque os legumes no copo da bimby, junte cerca de 600ml de água e programe 100º/20 min/vel. 1/colher inversa.
Coe a água, acrescente a manteiga e as folhas de salsa aos legumes e triture na velocidade 4-5 até obter um puré cremoso e sem grumos, se necessário adicione leite.

23 de janeiro de 2013

Sugar-topped molasses spice cookies


Uma receita Dorie Greenspan. Bolachas que deveriam ser de melaço, mas que não o foram e nem por isso, deixaram de ganhar um lugar merecido na caixa das bolachas.
A massa foi um pouco difícil de trabalhar, ao que não deve ter ajudado as substituições que fiz na receita inicial. Ao substituir o melaço por xarope de agave, tive em consideração que iria acrescentar um outro ingrediente liquido, o café, daí ter reduzido a sua quantidade, mas  a massa ficou um pouco mole demais. O seu tempo de repouso no frio foi fundamental, mas mesmo assim, teimava-se em colar às mãos que aqueciam à medida que trabalhavam. Na aparência não ficaram nada parecidas com as da Dorie, achatadas e craqueladas com o açúcar. Pelo contrário, ficaram com o formato das cavacas de feira, estaladiças nas bordas e fofas no meio. O facto é que não ouvi queixas e a caixa voltou a ficar vazia rapidamente.

Ingredientes:
2 1/3 de chávenas de farinha de trigo
2 colheres de chá de bicarbonato de sódio
1/2 colher de chá de sal
2 colheres de chá de gengibre em pó (não usei)
1/2 colher de chá de canela em pó
1/4 colher de chá de pimenta da Jamaica (não usei)
1 pitada de pimenta moída (não usei)
170 gr. de manteiga sem sal à temperatura ambiente (usei 150 gr.)
1 chávena de açúcar mascavado
1/2 chávena de melaço (substituí por 1/4 de chávena de xarope de agave)
1 ovo grande
1 café expresso (opcional)
cerca de 1/2 chávena de açúcar para enrolar

Preparação:
Numa tigela grande misture a farinha, o bicarbonato, o sal, o gengibre, a canela e as pimentas.
Numa batedeira, de preferência equipada com um acessório de pá, bata a manteiga em velocidade média até ficar homogénea e cremosa.
Adicione o açúcar mascavado e o melaço e bata por 2 minutos.
Adicione o ovo e bata por mais um minuto.
Reduza a velocidade e adicione os ingredientes secos, misturando até que a farinha e as especiarias desapareçam.
Se ficar alguma farinha no fundo da taça, acabe de misturar à mão, com uma espátula, para não amassar demais.
Divida a massa ao meio e enrole cada pedaço em papel filme. Congele durante 30 minutos ou deixe no frigorífico durante pelo menos 1 hora ( a massa pode ser mantida no frigorífico até 4 dias).
Coloque o açúcar numa tigela pequena. Divida cada rolo em 12 partes e forme bolinhas. passe cada um delas no açúcar e espalme com o fundo de um copo.
Asse os biscoitos num tabuleiro forrado com uma folha de papel manteiga por 12 a 14 minutos a 180º.
Retire a assadeira do forno e se os biscoitos se tiverem espalhado use a ponta de uma espátula de metal para os separar enquanto ainda estão quentes.
Transfira para uma rede e deixe arrefecer até à temperatura ambiente.

21 de janeiro de 2013

Creme de aipo e feijão vermelho



Ingredientes:
1/3 de chávena de feijão vermelho (em cru ou ligeiramente cozido se usar a bimby / previamente cozido no modo tradicional)*
1 cabeça de aipo (só os talos)
1 cenoura
1 cebola
1 dente de alho
1 litro de caldo de legumes ou água
Azeite q.b.
Sal q.b.

Preparação:
Bimby:
Coloque o feijão seco no copo da bimby e triture 20 seg./vel.9.
Acrescente 1 litro de água ou caldo de legumes, o alho esmagado e os legumes cortados em pedaços pequenos, reservando um talo de aipo.
Tempere de sal e programe 25 min./varoma/colher inversa/vel. 1.
Entretanto, corte o talo de aipo reservado em pedaços pequenos e salteie levemente em azeite.
Quando a bimby terminar de cozer os legumes, triture-os durante 1 minuto e meio, progressivamente, nas velocidades 3-5-7-9.
Verifique a consistência do creme, acrescentando caldo ou água quente, se necessário, e rectifique o tempero.
Acrescente um fio de azeite e sirva com o aipo salteado.

Tradicional:
Deite um fio de azeite na panela e acrescente a cebola, a cenoura e o aipo (a que retirou previamente os filamentos, ou pelo menos grande parte deles) partidos em pedaços pequenos,  reservando um talo pequeno.
Refogue em lume médio até os legumes amolecerem.
Acrescente o dente de alho esmagado e o feijão, cubra com o caldo de lumes ou água, tempere de sal e leve a cozer em lume médio/forte até os legumes estarem cozidos.
Entretanto corte o talo de aipo reservado em pedaços pequenos e salteie levemente em azeite.
Assim que os legumes estiverem cozidos, triture com a varinha mágica (pode ter necessidade de passar o creme por um passador para retirar os filamentos do aipo que tenham ficado na sopa) e verifique a consistência do creme, acrescentando mais caldo ou água quente se necessário, e rectifique o tempero.
Acrescente um fio de azeite e sirva com o aipo salteado.

*De vez em quando compro a granel o feijão ou outras leguminosas secas (cerca de 200 gr. são suficientes para o uso que lhes dou) e cozo-as na panela de pressão durante o tempo necessário para que fiquem ainda um pouco duros e depois acabo a cozedura no prato em que os pretendo utilizar. Para quem costume sentir os habituais efeitos do feijão rejeite a água da primeira cozedura e pode também usar a dica da minha amiga O.: demolhe o feijão juntamente com alga kombu (se tiver problemas de tiróide aconselhe-se previamente com o seu médico).

19 de janeiro de 2013

Projecto Marmita - Semana 3/2013


Lanche da manhã
Almoço
Lanche da tarde
Segunda-feira
1 pêra + 5 amêndoas
Creme de legumes assados +  Pescada ao vapor com couve salteada
1º – 1 tangerina e 1 iogurte natural
2º - Chá + 1 fatia de pão de mistura
Terça-feira
1 tangerina + 5 amêndoas
Creme de cenoura com curgete + Quiche de legumes assados com  salada de folhas verdes, curgete e tomate.
1º – 1 pêra e 1 iogurte natural
2º - Chá + 1 fatia de pão de mistura
Quarta-feira
1 maçã + ½ pão de centeio
Creme de legumes assados + Lulas estufadas e salada de folhas verdes com tomate-cereja.
1º – 1 tangerina e 1 iogurte natural
2º - Chá + ½ pão de centeio
Quinta-feira
1 pêra + 1 fatia de pão de mistura
Creme leve de cenoura + Omeleta de cogumelos e salsa com salada de rúcula e tomate-cereja.
1º – 1 kiwi e 1 iogurte natural
2º - Chá + 1 fatia de pão de mistura
Sexta-feira
1 pêra + ½ pão de centeio
Creme leve de cenoura + Frango estufado com legumes
1º – tangerina e 1 iogurte natural
2º - Chá + ½ pão de centeio


Dos legumes assados da semana passada já tinha feito um creme de legumes que serviu a marmita de sexta-feira passada e congelei o restante. Fiz também umas quiches em dose individual, que congelei igualmente. Por isso esta semana foi basicamente “save by the fridge”.
Segunda-feira – Lombinho de pescada ao vapor (no micro ondas), com couve salteada (sobra do fim-de-semana). Terça-feira – 1 quiche de legumes assados (congelador) com salada. Quarta-feira – Lulas estufadas (de uma refeição anterior) e salada. Quinta-feira – Omeleta de cogumelos e salsa (feita pelo D.) e salada. Sexta-feira – Frango estufado com legumes (congelador).
Sopas da semana: creme de legumes assados e creme de cenoura (todas as doses vindas do congelador). Lanches: fruta, pão de mistura, amêndoas com pele e iogurtes naturais. Chá de cavalinha e de frutos vermelhos.

15 de janeiro de 2013

Ainda o pequeno-almoço e não só

Do meu pequeno-almoço detox fazia parte uma mistura de flocos e de sementes que não posso deixar de partilhar.É muito simples de preparar e fica bem mais em conta que um "muesli" de compra, por exemplo. Faço as misturas em separado: uma de flocos e outra de sementes.
A mistura de flocos uso nos pequenos-almoços e lanches, misturada com iogurte e fruta - 2 colheres de sobremesa de flocos ou 1 colher de sobremesa de flocos e 1 de sementes.
A mistura de sementes serve também para polvilhar saladas, sopas e até para misturar num vinagrete ou molho de iogurte.
Os ingredientes são a gosto e normalmente guiam-se pelo que existe na despensa.


(Fonte: "The Doctor`s Food")
Para os flocos:
100 gr. de flocos de aveia
100 gr. de flocos de cevada
50 gr. de quinoa
25 gr. de gérmen de trigo
20 gr. de amêndoa com pele grosseiramente picadas
1 colher de sopa de mirtilos secos


Para as sementes:
3 colheres de sopa de sementes de linhaça
3 colheres de sopa de sementes de sésamo
3 colheres de sopa de sementes de girassol
2 colheres de sopa de sementes de abóbora

Preparação:
Aqueça bem uma frigideira em lume médio/forte e toste cada um dos ingredientes em separado, com excepção dos mirtilos, durante 1 a 2 minutos, até apresentarem um tom "moreno", mas sem queimar. Esteja atento ao gérmen de trigo que torra rapidamente e não se assuste quando as sementes, especialmente as de sésamo, começarem a saltar na frigideira.
À medida que cada ingrediente estiver pronto transfira para uma taça larga, deixe arrefecer e junte os mirtilos aos flocos. Guarde em recipientes hermeticamente fechados.

12 de janeiro de 2013

Projecto Marmita - Semana 2/2013


Lanche da manhã
Almoço
Lanche da tarde
Segunda-feira
1 pêra + 5 amêndoas
Sopa de feijão-verde  +  Arroz de cozido no forno
1º – 1 kiwi e 1 iogurte natural
2º - Chá + 1 fatia de pão de mistura
Terça-feira
1 banana + 5 amêndoas
Sopa de abóbora, quinoa e brócolos + Frango estufado com legumes e salada de alface, tangerina e curgete.
1º – 1 maçã e 1 iogurte natural
2º - Chá + 1 fatia de pão de mistura
Quarta-feira
1 kiwi + 5 amêndoas
Sopa de abóbora, quinoa e brócolos + Lentilhas estufadas com tofu.
1º – 1 pêra e 1 iogurte natural
2º - Chá + 1 fatia de pão de mistura
Quinta-feira
1 banana + 5 amêndoas

******
1º – 1 maçã e 1 iogurte natural
2º - Chá + 1 fatia de pão de mistura
Sexta-feira
1 banana + 5 amêndoas
Creme de legumes assados + Salada de alface, tangerina, romã, curgete e carne assada
1º – Romã e 1 iogurte natural
2º - Chá + 1 fatia de pão de mistura


Em vez do assado tradicional de Domingo, optamos por um cozido pobre, só com  a carne de vaca e poucos enchidos (um pouco de chouriço de carne e outro pedaço de chouriço de vinho).  Ainda assim, acendi o forno para os legumes: curgete, alho francês, batata doce, funcho, pimento verde e pimento vermelho, temperados com azeite, raspa e sumo de limão, alho e salsa picados e gengibre. 
Do cozido aproveitei a água de cozedura para fazer a sopa, aproveitando batatas, cenouras e nabos (que cozo a mais já para este efeito) que sobraram, acrescentando uma fatia de abóbora, ½ curgete e 1 cebola e depois de pronto o puré, acrescentei feijão-verde já cozido. Do caldo que sobrou coei e guardei no frigorífico de um dia para o outro, para que as gorduras solidificassem, podendo “limpá-lo”. Congelei em recipientes com capacidade para cerca de 200ml. Servirá para a próxima sopa ou para um arroz.
Entretanto cortei a couve em pedaços, juntamente com ¼ de nabo e ¼ de cenoura, reguei com azeite que ferveu com um dente de alho, misturei com um pedaço de carne desfiada e uma rodela de chouriço a que tirei a pele e com algum arroz. Coloquei numa assadeira pequena, polvilhei com queijo e levei ao forno até o queijo gratinar um pouco.
Segunda-feira – Arroz de cozido de forno. Terça-feira – Frango estufado com legume s(prato preparado com antecedência e congelado em 2 doses). Quarta-feira – Guisado de tofu e lentilhas (mais um prato congelado, desta vez uma dose que sobrou de um menu anterior). Quinta não houve marmita e na sexta-feira uma salada simples de alface, tangerina, romã e curgete com carne assada e vinagrete de mel e sementes.
Sopas da semana: sopa de feijão verde (de cozido), sopa de abóbora com quinoa e brócolos (a mesma da semana passada, que congelei, mas sem o tomate) e creme de legumes assados. Lanches: fruta, pão de mistura, amêndoas com pele e iogurtes naturais. Chá de cavalinha e de frutos vermelhos.

6 de janeiro de 2013

Pão de centeio com abóbora e figos



 
Quando preparei o puré de abóbora para estes queques sobrou uma certa quantidade que guardei no congelador. Esperava utilizá-lo para as primeiras velhoses de abóbora, mas acabou por ser utilizado neste pão saborosíssimo e com sabor a festa.



(adaptado do pão de malte de cevada e tâmaras de "200 receitas de pão", pág. 42)
Ingredientes:
180 ml de puré de abóbora
100 ml de leite morno
2 colheres de sopa de azeite
25 gr. de becel liquida
1 colher de chá de sal
325 gr. de farinha de centeio
180 gr. de farinha de trigo T65 Espiga
1 1/4 de chá de fermento biológico seco
3 figos secos

Preparação:
Coloque na cuba da MFP os ingredientes pela ordem indicada e inicie o programa Pão Integral.
Se a massa lhe parecer muito seca e desagregada, acrescente leite morno, 1 colher de sopa de cada vez, até a massa começar a ganhar consistência.
Ao sinal da máquina junte os figos cortados em cubos pequenos.Quando o programa terminar retire a cuba e desenforme, deixando o pão arrefecer sobre uma grade.

5 de janeiro de 2013

As primeiras marmitas de 2013 - Semana 1


Lanche da manhã
Almoço
Lanche da tarde
Quarta-feira
1 maçã + 1 fatia de pão de mistura
Sopa de cenoura e feijão-verde  +  Quinoa com legumes assados e requeijão
1º – 1 tangerina e 1 iogurte natural
2º - Chá + 1 fatia de pão de mistura
Quinta-feira
½ banana + 1 fatia de pão de mistura
Sopa de cenoura e feijão-verde  +  Ovos “mexidos” com legumes assados
1º – 1 tangerina e 1 iogurte natural
2º - Chá + 1 fatia de pão de Bolo-Rei
Sexta-feira
1 maçã + 1 fatia de pão de mistura
Sopa de abóbora com quinoa, brócolos e tomate +
Cabrito assado e grelos salteados
1º – 1 tangerina e 1 iogurte natural
2º - Chá + 1 fatia de pão de mistura


Depois de uma semana em que praticamente não se cozinhou, começo o ano com um novo tabuleiro de legumes e assados e muitas ideias quanto ao que podemos fazer com eles. A semana de trabalho ficou reduzida a três dias e o objectivo é descansar das iguarias tentadoras que rechearam a mesa durante duas semanas. Consegui manter-me nesse espirito durante 2 dias, mas aquele fim de cabrito que estava no frigorifico acabou por me tentar.
Ao forno foi um tabuleiro com alho francês (só a parte branca) cortado em pedaços de cerca de 3 cm, 1 curgete e 1 nabo cortados em cubos médios, 1 cenoura às rodelas e 1 pimento vermelho em tiras, 2 dentes de alho esmagados, 1 talo de alecrim e um fio de azeite, tudo bem misturado. Cobre-se o tabuleiro com papel de alumínio e vai ao forno a 180º durante 40 minutos a 1 hora, destapando nos últimos 15 minutos para dourarem os legumes. Depois de frios retiram-se para um recipiente com tampa, evitando o azeite que fica no fundo do tabuleiro e guarda-se no frigorifico. Serve 2 a 3 refeições dependendo do que acompanharem.
Aproveitei o forno para assar também um pedaço de abóbora, com casca, a que fiz uns golpes em cruz e pelas cortes espalhei alho picado e alecrim, regando com azeite. Esta abóbora estava congelada com a casca (em fatias obviamente e unicamente por preguiça, porque costumo congelar a abóbora sem a casca e já cortada em cubos) e se for assada torna-se muito fácil retirar toda a polpa, é só raspar com uma colher. Fez uma sopa deliciosa. Pelo meio ainda umas doçarias a estragar o equilíbrio … enfim!
Então cá vai a ementa:
Quarta-feira – bulgur com legumes assados e requeijão. Os legumes estão temperados e têm ainda a gordura do azeite, por isso a marmita dispensa outros temperos. Pode comer-se fria ou quente. Quinta-feira – os legumes foram à sertã anti-aderente, aproveitando mais uma vez o azeite que agarraram e que permitiu não juntar qualquer outra gordura. Deixei-os secar um pouco em lume médio-alto a acrescentei dois ovos batidos. Envolvi, nem fritata, nem omeleta, mas uma espécie de ovos escangalhados. Sexta-feira – lá estava o restinho do cabrito e dos grelos que fazem a minha perdição, não podia  desperdiçar.

Sopas da semana: sopa de feijão verde e cenoura e uma sopa de abóbora com quinoa, brócolos e tomate de que hei-de falar mais tarde no blogue. Lanches: fruta, pão de mistura, uma ou outra doçaria de Festa e iogurtes naturais.

3 de janeiro de 2013

Detox

Um desafio do Tapas na Língua fez-me pensar que o pequeno-almoço não tem sido muito privilegiado nesta cozinha, o que é uma grande injustiça que se faz à refeição mais importante do dia. Claro que os pequenos-almoços tendem a não variar muito por serem uma das primeiras rotinas do dia. Há horários a cumprir, trânsito a enfrentar, por isso convém que seja rápido e prático e, já agora, saboroso e nutritivo.

Acabando de atravessar uma época de Festas em que a gula faz muitos estragos optei durante alguns dias por começar logo pela manhã a desintoxicar o organismo. Desde que voltei a adoptar o kefir o meu pequeno-almoço tem sido uma composição de kefir, frutas, especiarias e mistura de cereais e/ou sementes. As quantidades são o q.b. para me sentir saciada até meio da manhã e senti melhorias enormes no meu SCI.


O kefir, quem o conhece, já sabe: alimenta-se de leite. No meu caso uso leite de vaca meio-gordo, que é o que  usa o resto da família. Num recipiente de louça, vidro ou plástico (metal NUNCA) coloco o kefir e cubro com cerca de 150 ml de leite. tapo com um pano poroso, para proteger do pó e guardo num armário da cozinha. No Inverno a fermentação é mais lenta e o resultado final assemelha-se a um iogurte liquido fraquinho. Pela manhã coo para uma taça usando um passador de rede plástico, que a seguir lavo em água corrente. Lavo também a taça onde o deixo a fermentar só em água corrente e seco com papel de cozinha. Volta a flor do kefir para a taça e reinicio o processo de alimentação e fermentação. O kefir pode beber-se ou juntar-se-lhe frutas e fazer um batido ou fazer assim:




Na véspera cortei uma fatia de abacaxi e parti em pedaços pequenos, incluindo o meio. Coloquei na taça que uso para o meu pequeno-almoço e polvilhei-o com gengibre e canela em pó e juntei 2 cravinhos. Misturei e levei ao microondas durante 2 minutos na potência máxima (se a fatia for grossa pode ir até aos 3 minutos). Reservei até ao dia seguinte.
Pela manhã, retiro os cravinhos do ananás, coo o kefir para a taça onde está o ananás e junto à mistura duas colheres de sobremesa de mistura de cereais tostados (cevada, quinoa e aveia, a que acrescentei alguns mirtilhos desidratados) ou uma colher de sobremesa destes cereais e outra de sementes tostadas (linhaça, abóbora, girassol, sésamo e papoila).





O abacaxi é diurético e desintoxicante, especialmente aquela parte do meio que costumamos descartar. Costumo variar as frutas de acordo com o que há na fruteira e a canela é quase uma presença constante, mas é por vezes substituída ou acompanhada de outros aromas:

Maçã + canela
Banana + canela + noz moscada
Ameixa + canela
Ameixa + baunilha
Pêra + erva doce ou canela
Morangos + baunilha
Pêssego + Cardamomo

Pode sempre usar a fruta fresca. Eu gosto delas cozinhadas assim, a seco, no microondas, ficam como desidratadas, mas cheias de sabor e é prático, pela manhã a fruta já está pronta a ser servida. Como estamos no Inverno e a mistura é fria, mesmo quando á temperatura ambiente, acompanho com um chá quente para me sentir mais aconchegada e começo logo pela manhã a ingerir o meu 1,5 lt de líquidos.

E vocês, qual o vosso pequeno-almoço favorito?
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...