28 de fevereiro de 2011

5 anos, 5 ingredientes - Perca grelhada com laranja


Ao festejar os 5 anos do "Cinco Quartos de Laranja", a Laranjinha lançou um desafio fantástico: cozinhar com 5 ingredientes. De inicio pensei que não seria tão difícil assim e comecei, de memória, a desfiar receitas atrás de receitas sem conseguir encontrar uma que encaixasse neste requisito: ou tinham de mais ou tinham de menos, sem que conseguisse alterá-las sem criar desiquilibrios de sabores. Até que surgiu uma e outra e mais uma e nisto tinha quase uma refeição completa confeccionada com pratos de 5 ingredientes. Claro que a laranja não poderia faltar. Uma coincidência feliz para as laranjas que abundam lá em casa. O prato escolhido para esta festa foi o peixe grelhado a lembrar os dias de sol que não tarda estão aí a convidar a refeições estivais.


Ingredientes (para 2 pessoas):
2 postas de perca
1 laranja
2 dentes de alho
Salsa
Sal
 
Preparação:
Pique os alhos juntamente com a salsa.
Parta a laranja a meio e reserve uma metade. à restante metade raspe a casca e misture nos alhos e salsa picados.
Num recipiente baixo coloque as postas de perca, tempere de sal e polvilhe com esta mistura. Esprema sobre elas  o sumo da meia laranja a que raspou a casca e reserve, tapado, no frigorífico, por cerca de 30 minutos.
Findo esse tempo ligue o forno na função grill (ou utilize outro tipo de grelhador), cubra a grelha com papel de alumínio e coloque as postas de peixe. Regue com o sumo da marinada e leve ao forno até dourar, tendo o cuidado de não deixar secar muito o peixe. Volte as postas e deixe dourar do outro lado.
Transfira o peixe para uma travessa de servir, rodeie com quartos de laranja cortados da metade que reservou e sirva com acompanhamento a gosto.
 
 
Dica: A função grill do forno é muito eficiente quer para grelhar carnes, quer para grelhar peixes. Temos apenas que ter em atenção o calor para que não seja excessivo e seque os alimentos. para que não haja muita sujidade, nem fumos ou cheiros, costumo cobrir a maior parte da grelha com papel de alumínio, que mesmo que rasgue um pouco vai agarrar a maior parte das gorduras ressequidas e por baixo da grelha coloco o tabuleiro do forno com água. Todos os líquidos (da marinada, por ex.) ou gorduras caem na água e não sujam nem o forno, nem o tabuleiro, bastando no fim uma lavagem com um pouco de detergente e esfregão verde para limpar tudo.

Salada de rúcula com meloa, uvas e tofu


Ingredientes:
100 gr. de tofu já preparado conforme instruções da embalagem
Uva q.b
1/2 meloa guadalupe
Rúcula q.b.
Molho de soja q.b.
Molho Ingês q.b.
Vinagre Balsâmico q.b.

Preparação:
Corte o tofu em cubos e deixe marinar por 15 minutos numa mistura de molho de soja, 1 gota de molho inglês e uma pitada de vinagre balsâmico. 
Salteie num fio de azeite, tendo o cuidado de não deixar queimar.
Numa saladeira, misture a rúcula, as uvas partidas em metade e sem grainhas, a meloa cortada em pedaços e o tofu.
Tempere a gosto.

25 de fevereiro de 2011

Duo de Bolachas de Amêndoa


Receita adaptada do livro "Flagrante Delicia" de Leonor Sousa Bastos - Bolachas de Pistácio - pág. 66


Ingredientes:
1 clara de ovo
60 gr de açúcar em pó
50 de amêndoa moída
2 colheres de chá de maisena
1 colher de chá de coco ralado
1 colher de chá de chocolate em pó

Preparação:
Misture a clara de ovo com o açúcar.
Junte a amêndoa e, de seguida, a maisena, mexendo bem.
Separe para outro recipiente 3 colheradas da massa e junte o coco ralado. À massa sobrante junte o chocolate.
Distribua a massa por formas com cerca de 5 cm de diâmetro, previamente untadas e polvilhadas (utilizei um tabuleiro de silicone para queques), indicando a autora que deve encher cada forma até cobrir 5 mm, o que corresponde a 5/6 gr. cada.
Coza em forno pré-aquecido durante 10 minutos.
Retire do forno, desenforme e deixe arrefecer as bolachas sobre uma grade de pastelaria.

21 de fevereiro de 2011

Crisp de tomate cereja, rucula e pimento


Veio do Bistrot da Elvira a base deste crisp bem simples e delicioso que servi num almoço de Domingo que se queria solarengo, mas que começou cinzento e fresco e assim continuou. Para quebrar a frescura do dia, em vez da salada fria resolvi fazer esta quente e crocante, foi uma excelente oportunidade para experimentar a receita e dar destino a uma quantidade de tomate cereja que tinha no frigorífico.

Ingredientes:
Tomate cereja q.b.
Rúcula q.b.
1 pimento verde
2 fatias de pão de forma integral
1/3 chávena de queijo ralado
2 colheres de sopa de azeite
1 dentes de alho
2 colheres de sopa de Salsa
Sal q.b.

Preparação:
Corte o pimento às rodelas.
Distribua o tomate, a rúcula e o pimento numa assadeira.
No robot de cozinha processe o pão, a salsa, o queijo, o alho, o azeite e o sal.
Cubra os legumes com este preparado e leve a forno pré-aquecido a 200º até as migalhas se encontrarem douradas.

18 de fevereiro de 2011

Taças de Maçã Caramelizada e Tapioca



Quem quiser saber mais acerca de tapioca dê uma espreitadela aqui, no blogue da Neide e ficará bem elucidado. Quando usei a tapioca a primeira vez achei que era um ingrediente leve, assim para o light, bom para a dieta. Fiquei espantadissima quando descobri que a grande vantagem da tapioca está em ser de digestão fácil, mas de resto, além de pouco nutritiva, é bastante calórica. Portanto, se procura uma sobremesa pouco calórica tenha este dado em atenção e cuidado com o que acrescenta à tapioca. Se não for o caso, delicie-se a sério, porque esta farinha tem potencial para fazer sobremesas lindas e deliciosas.

Ingredientes (para 2 doses):
2 maçãs grandes
1 colher de sopa mal medida de manteiga
1 colher de sopa de açúcar mascavado
3 colheres de sopa de Tapioca
250 ml de leite meio-gordo
Açúcar a gosto
Canela para polvilhar

Preparação:
Descasque as maçãs, descaroce e corte em cubos. Coloque na frigideira e junte a manteiga o açúcar mascavado.
Em lume brando deixe caramelizar lentamente, mexendo, de vez em quando. Reserve.
Entretanto, leve ao lume a tapioca com o leite e o açúcar (utilizei 1 colher de sopa de açúcar e 1 de adoçante Canderel).
Deixe levantar fervura e em lume médio/baixo vá mexendo até que os grãos de tapioca absorvam o leite. Demora cerca de 10 minutos.
Distribua a maçã por dois copos e sobre ela distribua a tapioca.
Polvilhe com canela e sirva.

16 de fevereiro de 2011

Quiches de Maçã, Cebola e Cogumelos



Ultimamente tenho adquirido alguns livros dedicados à cozinha. Não porque me proponha a confeccionar todas as receitas que neles encontro, mas basicamente porque gosto de culinária e de livros. Gosto de os folhear, do cheiro do papel, de me extasiar com as fotografias e com as palavras. Acima de tudo com as palavras, já que são elas que nos guiam até ao resultado final. Gosto das capas e contracapas, dos índices. A admiração começa nas livrarias (mesmo que virtuais). Miro e remiro a capa. Se estou numa livraria física, folheio, leio o índice. Pouso e volto a pegar. Se estou on-line, leio as criticas e tudo o mais que encontrar. E se decido comprar, volto a repetir todo o processo, já em casa, dona do livro. E depois gosto de começar pelo fim, o que em termos de livro culinária é o mesmo que começar pela fotografia. O prato acabado, para depois me deliciar com a explicação da execução. E dos livros que entraram de novo para as minhas prateleiras contam-se estes: "O Grande Livro das Sobremesas Saudáveis", de Adriana Ortemberg, Ed. Ideias de Ler e "Portugal Revisitado", de Chakall, Ed. Oficina do Livro (este oferta de Natal da mana). De tanto folhear lá me decidi a pôr em prática o que li e do primeiro saiu uma base de massa para tarte com pouquissima gordura e do segundo a inspiração para o recheio.


Ingredientes:
Para a massa:
100 gr. de farinha de trigo integral
3 colheres de sopa de azeite ou óleo de milho ou de girassol
90 ml. de água ou de uma bebida vegetal (arroz, aveia ou soja)

Para o recheio:
1 cebola rocha
2 maçãs (utilizei Golden)
100 gr. cogumelos (utilizei de conserva)
2 colheres de sopa de açúcar mascavado
2 ovos
200 ml de natas
100 gr. de queijo da Serra
Azeite q.b.

Preparação:
A massa:
Misture a farinha com o azeite, numa taça, até formar grumos.
Incorpore a água aos poucos até obter uma massa com alguma elasticidade, mas que não se pegue às mãos. Envolva em película transparente e deixe repousar à temperatura ambiente durante 30 a 45 minutos.

O recheio:
Rale o queijo e reserve. Tenha em atenção que usando um queijo de pasta mole deve usar o robot de cozinha com cuidado para não obter uma pasta em vez de queijo ralado. Em alternativa sempre pode parti-lo em cubos pequenos
Corte a cebola em meias luas.
Descasque e descaroce a maçã e fatie.
Se utilizar cogumelos frescos limpe-os e lamine-os.
Numa frigideira aqueça um fio de azeite e aloure a cebola.
Quando começar a amolecer polvilhe com o açúcar e deixe caramelizar.
Acrescente a maçã e os cogumelos, envolva e deixe alourar em lume brando. Reserve
Numa taça bata as natas com os ovos, acrescente o queijo e o recheio que reservou e envolva.
Distribua pelas formas e leve ao forno pré-aquecido a 180º até as quiches se apresentarem bem douradas (estas ficaram mais para o tostado, mas não foi o único cozinhado de forno tostado neste fim-de-semana, enfim...).

11 de fevereiro de 2011

Paté de Ervas e Sementes de Mostarda



Ingredientes:
80 gr de craime fraiche
1 gema de ovo cozida
2 colheres de café de sementes de mostarda amarela
1 colher de café de alho em pó
1 colher de chá de whiskey
Oregãos da Serra de Tavira q.b.
Salsa fresca picada q.b.
Sal q.b.

Preparação:
Numa tigela misture a nata azeda e a gema de ovo desfeita, mexendo bem até estar completamente ligado. Acrescente os outros ingredientes, envolva bem, transfira para uma taça pequena e leve ao frigorífico até ao momento de servir.

9 de fevereiro de 2011

Entrecosto grelhado com açorda de brócolos


Há dias assim, em que nos apetece algo. Não algo do género:"Ambrósio, apetecia-me algo". Não. Falo de algo de muito concreto, que não nos abandona a memória e o desejo enquanto não o satisfizermos. E a mim apetecia-me açorda. Andava a cozinhar uma açorda na minha cabeça e não via maneira de a cozinhar nos tachos. Até que, finalmente, umas sobras de pão me piscaram o olho e não pude mais resistir. Procurei entre os legumes que estavam no frigorífico, os que mais me agradariam numa açorda e deitei a mão a um molho de brócolos. Juntei-lhe um tomate e cebola e saiu um acompanhamento delicioso para um entrecosto simplesmente grelhado.

Ingredientes:
1 tira de entrecosto
1 dl de vinho branco
4 + 1 dentes de alho
1 folha de louro
Sal q.b.
Brócolos (1 unidade média)
1/2 cebola
1 tomate maduro
Pão do dia anterior (de preferência pão rústico ou de mistura)
Água q.b.
Azeite q.b.

Preparação:
De véspera tempere a tira de entrecosto com sal, os 4 dentes de alho picados, vinho e o louro.
No dia escorra a marinada e asse na brasa ou no forno pousando a peça inteira sobre a grelha e por baixo desta o tabuleiro que irá aparar a gordura libertada pela carne. Vire a carne a meio do tempo, não deixando assar demais para que não fique seca. Para esta operação utilizo o grill do forno em potência média/alta e o resultado é excelente.


Enquanto a carne assa, faça a açorda:
Demolhe o pão em água. Não necessita de cobrir o pão com a água, só o suficiente para amolecer.
Separe os floretes de brócolos e mergulhe-os em água e vinagre durante 5 a 10 minutos. Passe de seguida em água corrente e leve a cozer em água fervente temperada de sal. Retire e reserve a água de cozedura.
Pique a cebola e o dente de alho sobrante. Pele o tomate, retire as sementes e corte em cubos.
Deite num tacho, cubra com um pouco de azeite e refogue sem deixar que a cebola ganhe cor. Junte o pão espremido e envolva com uma colher-de-pau. Acrescente água de cozer os brócolos a gosto e os brócolos cozidos. Envolva novamente. Deixe cozinhar por 5 a 10 minutos, acrescentando água se secar muito. Por mim não gosto de açordas muito aguadas, prefiro-as mais enxutas.
Transfira para um prato ou travessa de servir e acompanhe o carne com este pitéu.

7 de fevereiro de 2011

Minestrone


Minestrone é uma sopa rica de origem italiana composta por uma grande variedade de legumes, massa ou arroz e tendo por base um caldo que pode ser de frango ou carne, a que pode também acrescentar as próprias carnes. Desta sopa não existe uma receita única, por isso são admitidas todas as variações possíveis. Um elemento comum que fui encontrando em várias receitas é, além da massa, o tomate, mas como não sou grande apreciadora de tomate nas sopas exclui-o. E como queria uma sopa forte que fosse em si mesma uma refeição juntei-lhe um peito de frango, mas optei por cozê-lo à parte , uma vez que pela falta de gordura não dá origem a um caldo muito suculento e assim evitei a espuma que se forma enquanto coze.

Ingredientes:
1 peito de frango
1 cebola
1 batata pequena
1 nabo
1 cenoura
1/4 couve branca
100 gr. de ervilhas
80 gr. de massa cotovelinho
Caldo de frango q.b. (usei um caldo Natura)
Azeite q.b.
Água q.b.

Preparação:
Comece por descascar a batata, o nabo e a cenoura e corte em pequenos cubos.
Lave a couve e corte em juliana.
Pique a cebola e refogue em azeite até amolecer.
Junte cerca de 1 litro de água quente e o caldo de frango. Deixe levantar fervura e junte então os legumes.
Entretanto corte o peito de frango em cubos pequenos e coza em água e sal.
Assim que os legumes estiverem al dente acrescente as massinhas e deixe cozer.
Acrescente o frango e se necessário água da sua cozedura.

4 de fevereiro de 2011

Bolo de Tangerina e Amendoa




Tem-me suscitado alguma curiosidade um certo bolo com clementinas ou tangerinas cozidas que tem corrido a blogosfera. Parece que "febre" começou aqui, e passou, pelo menos, pelos blogues da Laranjinha, da Fer e da Ana, sempre com grandes elogios. Pretendendo gastar umas claras congeladas, sobrantes do pão-de-ló de natal, decidi adaptar a receita do bolo amanteigado, que uso como receita base para quase todos os meus bolos, e o resultado foi um bolo denso e húmido, muito saboroso e excelente se servido fresco. A recomendar e a repetir, mas com alguns acertos na receita (1).

Ingredientes:
2 tangerinas
7 claras + 1 ovo
240 gr de açúcar
100 gr de farinha de amêndoa
70 gr de amido de milho
50 gr de óleo
50 gr de creme de aveia
20 gr de fermento em pó
Spray para untar Espiga

Preparação:
Lave bem as tangerinas e coza-as na panela de pressão durante 10 a 15 minutos, contados a partir do silvo da pressão. Retire e deixe arrefecer.
Bata as claras em castelo e reserve.
Peneire as farinhas para uma taça. Reserve também.
No robot de cozinha triture as tangerinas inteiras juntamente com o açúcar.
Transfira esta mistura para uma taça grande e acrescente a gema de ovo, o óleo e o creme de aveia e bata até estar bem ligado.
Junte as farinhas com o fermento, envolva cuidadosamente e acrescente as claras, um terço de cada vez, envolvendo com a espátula em movimentos de baixo para cima.
Verta a mistura para uma forma untada com spray Espiga e leve ao forno pré-aquecido a 180º durante 40 minutos ou até estar cozido.

(1) Aprendi a cozer os bolos em 2 fases: numa primeira fase o bolo coze a 180º por 20 minutos, diminuindo-se de seguida a temperatura para 170º, cozendo mais 20 minutos. Ora, quando reduzi a temperatura, fi-lo para 160º e quase de imediato o bolo abateu no centro. A mim parece-me que pode ter acontecido uma das seguintes situações:
a) O desnivalemento de temperatura foi excessivo e rápido (o forno é novo, aquece e arrefece mais rapidamente que o anterior e ainda não acertei com o modo ideal de trabalhar com ele) 
b) As tangerinas libertaram bastante sumo aumento os líquidos da receita sem que fosse acertada a proporção na farinha. 

2 de fevereiro de 2011

Roupa Velha de Assado


Domingo fiz um bacalhau assado no forno, uns lombos grossos de meter vista (que por acaso nem são os meus preferidos no bacalhau, mas para assar estavam bem), regados de azeite e polvilhados de pão ralado aromatizado com alho e salsa, numa cama generosa de cebola, tomate e pimento, acompanhados de batata a murro. Finda a refeição sobrou bacalhau e batatas que deixei ficar na assadeira que os levou ao forno, juntamente com o sobrante dos legumes que os acamaram. Embora não me arrepie nada comer comida aquecida, não me queria parecer que o bacalhau assado apreciasse esse destino. Primeiro pensei num empadão e comecei a tratar de cozer mais umas batatas e uma couve cortada em juliana para envolver no bacalhau, mas a hora tornava-se tardia para jantar e a meio mudou-se o destino final para uma versão não natalícia da roupa velha ou farrapo velho. O resultado só podia ter sido o que foi: delicioso e uma óptima sugestão para um "almoço de escritório".

Ingredientes:
Sobras de uma refeição de bacalhau assado: 1 lombo de bacalhau, 2 batatas a murro, o azeite e legumes do assado (cebola, pimento e tomate).
2 batatas
Couve branca q.b.
Azeite q.b.
Cominhos q.b.

Preparação:
Reserve a assadeira onde assou o bacalhau com todo o seu azeite e legumes de assado: cebola, tomate e pimento.
Retire as peles e espinhas do bacalhau e lasque.
Corte as batatas a murro que sobraram do assado em quadrados
Coza as 2 batatas cortadas em cubos e a couve cortada em juliana. Escorra toda a água.
Na assadeira onde fez o assado e onde reservou todo o seu molho junte as lascas de bacalhau, as batas e a couve. Envolva e se necessário acrescente azeite.
Tempere com um pouco de cominhos se gostar.
Leve ao forno só para dourar um pouco e sirva.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...