29 de novembro de 2010

Almoçar no Escritório - Salada de quinoa, pescada e legumes


De uma refeição de peixe cozido hão-de sair mais duas refeições. Esta é a primeira: uma salada, a servir quente ou morna, tendo por base a quinoa, um grão originário da América do Sul que começa a fazer sucesso pelo seu grande valor proteico, baixo teor de colesterol e ausência de gluten, reconhecido pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação como um dos alimentos mais completos.

Ingredientes:
1 medida de chávena de café de quinoa
Sobras de peixe cozido
Sobras de legumes cozidos - cenoura e bróculos
1/2 ovo cozido
1 colher de sopa de azeite Espiga Clássico

Preparação:
Lave a quinoa em água corrente, utilizando uma peneira, e sacuda para extraír o excesso de água.
Prepare-a segundo as instruções da embalagem.
Desfie o peixe, retirando todas as espinhas e peles.
Corte os legumes em pequenos pedaços.
No fundo de uma saladeira coloque 3 colheres de sopa de quinoa já cozida. Junte o peixe e os legumes e regue com o azeite. Envolva tudo cuidadosamente e sirva.

Fontes: http://www.fao.org/ e http://pt.wikipedia.org/wiki/Quinoa

26 de novembro de 2010

Bolo de laranja inteira


Já há bastante tempo que andava para experimentar este bolo de laranja inteira mas vinha adiando até porque durante o Verão, com o calor apetecem umas sobremesas mais aligeiradas, mas agora que o calor se foi  e  as laranjas até abundavam lá em casa, lá saltou este bolo para o forno.


Ingredientes:
2 claras
3 ovos
160 gr de açucar
1 laranja
85 gr de farinha
50 gr de óleo
10 gr de fermento

Preparação:
Lave bem a laranja e corte-a em quartos eliminado as pevides e fio branco central.
No robot de cozinha triture a laranja juntamente com o açúcar.
Num recipiente grande deite, por esta ordem, os ovos inteiros, o açúcar com a laranja, a farinha, o óleo (não deite por cima da farinha, mas à volta dela) e o fermento.
Mexa bem, até a massa estar lisa e homogénea.
Deite numa forma previamente untada e polvilhada e leve ao forno pré-aquecido a 180º por 20 minutos, findos os quis reduza a temperatura para 160º. Findos mais vinte minutos faça o teste do palito. Estando pronto o bolo retire-o e regue com o sumo de uma laranja aquecido e ao qual juntou água caso seja pouco sumo. Desenforme e deixe arrefecer antes de servir.

24 de novembro de 2010

Solha no forno com batata alourada e espargos verdes


Ingredientes:
2 solhas
2 batatas médias
1 molho de espargos verdes
1 cebola
1/2 pimento vermelho
Alho q.b.
1 limão
Salsa q.b.
Azeite q.b.


Preparação:
Com cerca de 2 horas de antecedência tempere as solhas com sal, sumo de limão, alhos laminados e salsa.
Entretanto, lave bem as batatas e coza-as em água e sal com a pele. Não deixe que se desfaçam. Retire-as da água, deixe arrefecer e corte-as em rodelas grossas.
Pré-aqueça o forno a 200º e prepare o tabuleiro para o assado: no centro do tabuleiro coloque a cebola cortada em meias luas grossas e o pimento em tiras. Sobre estes legumes pouse as solhas com  a barriga para baixo. Dos lados disponha  as batatas. Regue tudo com um golpe generoso de azeite e leve ao forno.  
Prepare os espargos e coza-os em água fervente temperada de sal durante 3 a 4 minutos. Reserve-os.
Vigie o peixe. Estando as batatas louras, volte-as e. Espalhe os espargos pelo tabuleiro e leve a acabar de assar.

23 de novembro de 2010

Criando Cores da Vida -Desafio Dia de S. Martinho


Da Ana Maria, do "Criando Cores da Vida" recebi este lindo cabaz natalício, como prenda por ter sido contemplada no sorteio no desafio do Dia de S. Martinho.
Que belos lanches vou ter nas tardes preguiçosas de Domingo. Ora digam lá que não: panquecas quentinhas, acabadinhas de fazer, com um delicioso doce de tomate e uma chávena de chá vermelho com pétalas de rosa servido num bule tão natalício.
Obrigada, minha querida, pelo miminho.

22 de novembro de 2010

Abóbora assada


Este é um acompanhamento muito simples e saboroso. Óptimo para quando faço assados no forno, aproveitando o calor do assado, uso 2 tabuleiros: o superior para o prato principal e o inferior para esta abóbora. 

Ingredientes:
1/2 abóbora manteiga
Sal aromatizado com tomilho, oregãos, louro e alecrim
2 hastes de tomilho fresco
Azeite q.b.

Preparação:
Descasque a abóbora e limpe de sementes. Parta em cubos de tamanho médio.
Coloque numa assadeira pequena e tempere com o sal e azeite. Misture o tomilho fresco.
Tape com papel de alumínio e leve ao forno até a abóbora estar amolecida.

20 de novembro de 2010

Quiche de Rúcula e Limão


Hoje a Moira vem jantar! Estou empolgadíssima, porque tal como eu, a Moira gosta de se sentar à mesa e dar largas a uma boa e amena conversa, enquanto petiscamos, saboreamos, degustamos. Adoro estes jantares de amigos à volta de uma mesa recheada de pequenos manjares, todos feitos e preparados com carinho e cuidado. Para começar fazem parte da ementa estas mini quiches de rúcula e limão que tinha marcadas para fazer, nem sei há quanto tempo, numa Blue Cooking antiga. Assim que as vi, o meu cérebro fez explodir 1001 sensações gustativas que foram ficando adiadas...até hoje. Que melhor momento para servir estas tartes salgadas que este? Rúcula e limão combinam divinamente e amigos e sabores também.  
(Receita adaptada de Blue Cooking Coleccionável nº 4)

Ingredientes (para 4 formas pequenas):
Massa:
160 gr de farinha integral
80 gr de manteiga
Água q.b.

Recheio:
1 embalagem de ricota (250 gr.)
100 gr de crème fraiche
2 ovos
Raspa de 1 limão
1 chávena de leite
1 chávena de rúcula
Sal e pimenta q.b.

Preparação:
Massa:
Numa taça misture a farinha e a manteiga fria cortada em pedaços, esfregando com as pontas dos dedos até obter um "farelo" e a manteiga estar bem incorporada. Comece a amassar e acrescente água pouco a pouco até a massa estar bem ligada.
Estenda a massa entre duas folhas de papel de vegetal com a ajuda do rolo e forre 4 formas para tarteletes.

Recheio:
Numa tigela misture todos os ingredientes, desfazendo bem a ricota.
Distribua a rúcula pelas formas e verta sobre ela o recheio.
Leve a forno pré-aquecido a 200º, por cerca de 45 minutos ou até as tartes se apresentarem douradas e aptas no teste do palito.


18 de novembro de 2010

Pannacotta de Lavanda


Tinha em casa um saco de chá de flores de Lavanda que permanecia no armário sem grande uso. Dizem que é um chá excelente para a digestão e experimentei-o uma vez, mas o aroma doce das flores é tão intenso que não o consegui beber. Por isso, lá ficou enquanto na blogosfera surgia, de quando em vez, receitas com Lavanda e eu na dúvida se as experimentava ou não, sempre com um misto de curiosidade e de repulsa. 
No fim-de-semana passado encontrei no frigorífico uma embalagem de iogurte grego já no limite do prazo e mais uma limpeza aos armários dei com o tal pacote de chá e lá me decidi por fazer uma sobremesa fresca e simples e quer serviria (caso viesse a gostar...e gostei) para me adoçar a boca durante a semana.


Ingredientes (3 formas):
1 chávena de leite
Açúcar ou adoçante a gosto
1 colheres de chá de folhas de Lavanda
2 colheres de chá de gelatina em pó
1 iogurte grego natural açucarado Nestlé

Preparação:
Aqueça o leite, sem deixar ferver, juntamente com as flores de Lavanda e açúcar a gosto.
Deixe repousar por cinco minutos e coe o leite.
Coloque a gelatina num recipiente pequeno e salpique com água fria. Deixe hidratar e leve ao microondas para derreter.
Junte a gelatina derretida ao leite ainda morno e mexa bem.
Junte o iogurte, batendo com a vara de arames.
Distribua por formas de gelatina ou taças individuais, previamente passadas por água fria e leve ao frigorífico até solidificar.
Para desenformar mergulhe as formas por breves segundos em água quente.
Servi com  molho de groselhas em geleia de vinho do Porto, mas também a imagino simples ou com curd de limão ou molho de chocolate.

17 de novembro de 2010

Porco assado com batata e marmelos



Outono. Domingo. Nuvens e frio. Deixamos a churrasqueira, no terraço, descansar até ao próximo ano.   Entramos em casa. Fechamos a porta e é tempo de ligar o forno e espalhar aromas pela casa. O almoço prolonga-se sem pressas. Saboreia-se e preguiça-se o resto do dia.
  
Ingredientes:
750 gr de carne do cachaço
Vinho branco q.b.
Sal q.b.
1 folha de Louro
Piri-piri q.b.
4 a 5 dentes de alho
1 colher de chá de massa de pimentão
Azeite Espiga Clássico
1 cebola média
Batata para assar q.b.
Marmelos q.b.

Preparação:
Na véspera faça uma marinada com sal, alhos esmagados, louro, piri-piri e vinho branco e regue a carne. Guarde-a no frigorífico em recipiente tapado, dando uma volta na carne passado umas horas.
No dia, coe a marinada e reserve o liquido. Aos alhos junte mais 1 dente esmagado, sal, a massa de pimentão e 1 colher de sopa de azeite. Esmague tudo até obter uma pasta e esfregue a carne. 
No tabuleiro de ir ao forno coloque no meio uma cebola cortada em meias luas grossas e pouse sobre ela a carne. Regue com o liquido que reservou da marinada.
Descasque as batatas e dê-lhes um golpe. Disponha-as à volta da carne e tempere de sal.
Descasque e parta os marmelos em quartos e disponha no tabuleiro.
Regue tudo com um fio de azeite e leve e a forno pré-aquecido a 220º, podendo diminuir  a temperatura assim que tostar.
Sirva com uma salada de folhas verdes e tomate.

Nota: Nesta refeição utilizei o Azeite Espiga Clássico, oferta das Fábricas Lusitana, que passou com distinção na primeira prova.
(imagem retirada de www.lusitana.pt)

15 de novembro de 2010

Sopa de feijão verde



Mais uma sopa de feijão verde...eu sei que feijão verde é feijão verde. Ponto final. Eu sei, mas o feijão verde é um recorrente lá de casa, porque gostamos e porque resiste bem no frigorífico durante muito tempo e por isso tenho sempre um molho dele lá no cantinho da gaveta para quando não encontro nada no mercado que me agrade ou quando não há tempo para ir ás compras e, assim,  não resisti em trazer mais esta, que ficou bem cremosa e que me sabe tão bem nos dias de Outono que atravessamos. 

Ingredientes:
2 cebolas
2 dentes de alho
1 nabo pequeno
1 courgette média
2 cenouras
Água ou Caldo de legumes q.b.
Azeite q.b.
Sal q.b.
150 gr de feijão verde

Preparação:
Lave e retire os fios laterais ao feijão-verde. Corte em pedaços e reserve.
Descasque as cebolas, o nabo, as cenouras e a courgette (pode juntar a casca da courgette, mas lá em casa os vestigios verdes não são de muito agrado) e parta em pedaços.
No fundo da panela deite um fio de azeite e junte os legumes arranjados e os alhos esmagados. Juntei também 4 vagens do feijão verde inteiras. Deixe refogar por uns minutos, sem queimar, de preferência com a panela tapada, para criar vapor. Cubra com água quente ou caldo de legumes quente. Tempere de sal.
na bola de cozer arroz coloco o feijão verde cortado, fecho a bola e coloco-a dentro da panela. Assim o feijão coze quase ao vapor, sem perder vitaminas e ganhamos tempo.


Quando os legumes estiverem cozidos retire a bola, escorrendo bem e reserve o feijão verde. Triture os legumes, retifique os temperos e acresce água se necessário. Junte o feijão-verde já cozido. Volte a ferver se tiver acrescentado água. Desligue e sirva.

11 de novembro de 2010

Um Crumble de Outono


Pois é..por estes blogues fora há cheiros e sabores de Outono. As maçãs, os marmelos, as sopas e os pratos quentes e substanciais começaram a chegar às nossas cozinhas, a pouco e pouco, cada um entrando na sua vez. Batem à porta, agora, as castanhas, por entre chuva e frio, ansiando que S. Martinho faça, mais uma vez, o seu milagre e nos dê o último sopro de Verão do ano para o celebrarmos condignamente. Nas escolas  os miúdos chamuscam, felizes, as faces com a fuligem onde assaram as castanhas do magusto (lembram-se? LOL A minha mãe não achava piada nenhuma a esta brincadeira). À noite, em casa, mais castanhas saem do forno bem douradas, mas antes de as assar, reservo algumas para esta sobremesa frutada de Outono que vou oferecer á Ana Maria para festejar o 1º aniversário do "Criando Cores da Vida".

Ingredientes:
1 maçã
1 pêra
1 marmelo
100 gr. de uvas pretas
40 gr. de uvas brancas
1 punhado de uvas passas
1 chávena de farinha integral
1/2 chávena de aveia
1/4 chávena de açúcar mascavado
6 castanhas
50 gr. de manteiga
1 cálice de vinho do Porto

Preparação:
Comece por demolhar as uvas passas no vinho do Porto.
Retire a casca das castanhas e leve a cozer em água. Assim que estiverem cozidas, passe-as por água fria e pele-as.
Prepare o crumble:
Numa taça junte a farinha, aveia e o açúcar e a manteiga fria cortada em pedaços. Com as pontas dos dedos  amasse até ter migalhas. Acrescente as uvas passas escorridas e a as castanhas grosseiramente esmagas com a mão.
Corte os bagos de uva a meio e retire as grainhas e coloque num recipiente para ir ao forno.
Descasque a maçã, a pêra e o marmelo, corte em pedaços médios, junte ás uvas e polvilhe com açúcar. Regue com o vinho de Porto em que demolhou as passas.
Espalhe o crumble por cima das frutas e leve ao forno pré-aquecido a 180º até o crumble estar dourado. Sirva quente ou morno.

10 de novembro de 2010

Bifes de frango com molho de vinho branco, cebola e chouriço


O Outono traz-nos mesmo a nostalgia à alma. O molho que acompanha estes bifes de frango é uma adaptação daquela que foi talvez uma das minhas primeiras "criações" na cozinha. Costumava fazê-lo para acompanhar bifes de vaca e apenas com enchidos. A escolha da carne faz a diferença: um bife de vaca é mais suculento, liberta líquidos que ajudam a apurar o molho juntamente com qualquer gordura que a carne contenha, mas como é um molho que se permite a muitas variações é sempre possível improvisar e adaptar a outros ingredientes.


Ingredientes:
Bifes de frango q.b.
3 dentes de alho
1 limão
1/2 cebola
1/4 de chouriço
1 copo de vinho branco
Salsa q.b.
Sal q.b.
Azeite q.b.

Preparação:
Tempere os bifes com sal, 2 dentes de alho fatiados e sumo de limão e guarde no frigorífico pelo menos por  30 minutos.
Pique a cebola, 1 dente de alho e salsa a gosto. Parta o chouriço em cubos pequenos. 
Unte uma frigideira com azeite e grelhe os bifes deixando-os dourados de ambos os lados. Retire-os para um prato e mantenha-os quentes.
Entretanto deite mais um pouco de azeite na frigideira, deixe aquecer e regue com um pouco de vinho. Raspe todos os sucos com uma espátula e acrescente o picado de cebola, alho e salsa e o chouriço. Envolva e deixe fritar um pouco. Acrescente o vinho e deixe ferver em lume brando até reduzir para metade. 
Regue os bifes com este molho e sirva. 

9 de novembro de 2010

Creme de Alho Francês



Ingredientes:
2 cebolas pequenas
1 cenoura
200 gr de abóbora branca
200 gr de alho francês (parte branca)
1 batata pequena
Azeite q.b.
1,2 lt de caldo de legumes

Preparação:
Pinte o fundo de uma panela com azeite.
Parta os legumes em pedaços pequenos e leve a refogar no azeite.
Acrescente o caldo de legumes (ou água em igual quantidade e um cubo de caldo de legume industrial) e deixe cozinhar até os legumes estarem cozidos.
Se utilizar caldo de legumes caseiro é natural que tenha que acrescentar algum sal. Se utilizar caldo de compra dispense o sal por completo.
Reduza tudo a puré e passe pelo passador chinês para retirar todas as fibras do alho francês e da abóbora que a varinha não tenha conseguido desfazer.
Sirva quentinho numa noite fria.

4 de novembro de 2010

Pavlova de Pêra e Chocolate


Os bolos de claras, estilo molotof e pavlovas sempre me meteram muito respeito. Tenho sempre a sensação de que vão abater, desabar, acabar num triste amontoado de claras cozidas que terão qualquer uso, menos brilhar merecidamente no centro da mesa e por isso optava por dar outros usos às claras sobrantes, deixando para outras oportunidades uma receita mais sublime. Até que este post da Suzana ficou a bailar na minha memória, num rodopio estonteante e eu, que não sou bailarina, não sei fazer piruetas e não me sustenho em pontas, tive que ceder, arriscar e trazer para o centro do palco (leia-se mesa) esta sobremesa de encantar. Quando provei a primeira colherada deste bolo fiquei completamente rendida à sua textura macia a desfazer-se na boca numa combinação perfeita com o chocolate. 
Quanto à escolha das pêras: fiz este bolo numa altura em que as pêras D. Joaquina faziam a sua breve aparição no mercado e nessa altura do ano são sempre elas que reinam e como a pêra é para mim uma excelente companhia do chocolate esta era a escolha que se impunha. 

Ingredientes:
Para a Pavlova:
3 claras
120 gr de açúcar
Amêndoa laminada q.b. para enfeitar
Para as pêras:
4 pêras Joaquina (pode usar outra qualidade adaptando a apresentação ao tamanho da pêra)
1 chávena de água
1/4 chávena de vinho do Porto
1/4 chávena de açúcar
Para a calda de chocolate:
1/2 chávena de açúcar
1/4 chávena de água
45 gr. de cacau (utilizei chocolate em pó mais uma fila de chocolate em barra)
1 colher de chá de manteiga

Preparação:
A Pavlova:
Comece por bater as claras em velocidade baixa.
Quando começarem a ganhar volume vá acrescentando o açúcar aos poucos continuando a bater, mas agora em velocidade elevada, até obter um merengue liso e brilhante.
Forre um tabuleiro com papel vegetal, coloque um aro de 20 cm no centro (utilizei um de 18 cm) e verta as claras no aro (se tiver paciência utilize o saco de pasteleiro), alisando com a espátula e formando uma ligeira concavidade no centro.
Leve a forno pré-aquecido a 150º por 1 hora. Desligue e deixe a Pavlova arrefecer dentro do forno.
Quando estiver fria, desenforme para um prato.
As Pêras:
Descasque as pêras e leve a cozer numa calda feita com a água, o vinho e o açúcar, até conseguir espetar um palito com facilidade. Não deixe cozer demais. Reserve.
A calda de chocolate:
Leve a água e o açúcar a lume médio. Quando começar a ferver diminua para o mínimo e conte 3 minutos. Acrescente o cacau peneirado e deixe levantar fervura novamente. Desligue Junte a manteiga e, se for o caso, o chocolate em barra partido em pedaços. mexa até se dissolver.
Finalmente:
Regue o centro da Pavlova com alguma calda de chocolate.
No centro disponha uma pêra inteira, com o pedúnculo.
Parta as restantes em quartos ou oitavos, consoante o tamanho, retire o centro com as sementes e disponha em volta da pêra inteira.
Regue toda a Pavlova com a calda e polvilhe com amêndoa laminada.
Deite a calda sobrante numa molheira e sirva à parte para os mais gulosos.


P.S. - Querida B.V. bem sei que este não é um bolo de aniversário tradicional, mas assim que me propus a publicar este posto lembrei-me do teu passatempo e pensei: porque não quebrar as regras de vez em quando?  se bem o pensei melhor o fiz e aqui tens um bolo de aniversário bem especial.

3 de novembro de 2010

Sardinhas Fritas numa espécie de escabeche



Foi este post da Mónica que me aguçou o apetite para um escabeche. Este foi confeccionado num desses dias de Verão em que nos sentamos preguiçosamente à mesa, ao ar livre, e absorvemos todas as gotas de luz que caem sobre o rosto ao sol. Desse calor já nem vê-lo. Almoçaradas no terraço serão até para o ano. Mas o escabeche ... porque não repeti-lo em jeito de lembrança desses dias e de espera pelos que hão-de voltar?

Ingredientes:
Sardinhas q.b.
1 cebola
1 dente de alho
1 pimento vermelho
1 folha de louro
Farinha de milho q.b.
Azeite e óleo q.b.
Vinagre q.b.
Sal q.b.

Preparação:
Utilizei sardinhas pequenas, mesmo ao jeito para fritar, que temperei de sal e embora o escabeche dispense esta operação, passei por farinha de milho e fritei numa mistura de azeite e óleo (para um verdadeiro escabeche não passe as sardinhas pela farinha e frite-as apenas em azeite, o qual há-de aproveitar para o passo seguinte). 
Reservei as sardinhas e preparei o molho de escabeche:
Parti a cebola em rodelas finas, o alho em lâminas e o pimento, limpo de sementes, em tiras.
Deitei um golpe generoso de azeite numa frigideira e em lume médio/brando fritei a cebola, juntamente com o alho, o pimento e a folha de louro, tendo o cuidado de não deixar queimar. 
Quando a cebola começou a amolecer juntei cerca de 1/8 de chávena de vinagre. Deixei levantar fervura e desliguei. 
Reguei as sardinhas com este molho e não resisti a comer uma ou duas. As restantes foram para o frigorífico, cobertas com película aderente e foram servidas como entrada no dia seguinte.

2 de novembro de 2010

Pasta de Azeitona


Não gosto de azeitonas, sejam elas quais forem. Não gosto do sabor, nem do cheiro, nem gosto de as misturar em saladas porque onde tocam deixam o seu sabor característico. Não podemos gostar de tudo. Quem sabe um dia se não acabo por morrer de amores por elas, mas para já não. O que não quer dizer que  não feche os olhos a esta minha falta de gosto (grande falta de gosto, hão-de muitos dizer) se a ocasião assim o ditar: é que  a quem se senta à nossa mesa gostamos de agradar e se nós não gostamos, mas outros gostam vamos lá levar as azeitonas à mesa pela nossa mão, como que a dizer que gostamos da companhia e que queremos que se repitam estes momentos de convívio.

Ingredientes:
100 gr. de Azeitonas a gosto
Azeite q.b. (usei 2 colheres de sopa)
Oregãos q.b.
1 dente de alho
1 colher de chá de alcaparras

Preparação:
Descaroce as azeitonas.
Coloque no liquidificador ou no copo da varinha mágica todos os ingredientes e triture tudo.
Se a pasta ficar muito "dura" acrescente mais azeite, mas tenha em atenção que a própria azeitona vai largar algum liquido.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...