28 de setembro de 2009

Panacota de iogurte e clementina com xarope de menta




É uma sobremesa simples e saborosa e não tem que ser uma bomba de calorias.

Ingredientes:
Para a Panacota (2 unidades):
1 iogurte natural
2 colheres de sopa de Ricota
Sumo de 2 clementinas
1 clementina para decorar
2 folhas de gelatina

Como se faz:
Demolhe as folhas de gelatina num pouco de água fria.
Numa taça misture muito bem o iogurte, o queijo e 3/4 do sumo de clementina.
Aqueça o restante sumo e derreta nele as folhas de gelatina espremidas. Junte ao preparado de iogurte. Envolva bem e distribua por 2 formas individuais previamente passadas por água fria.
Leve ao frigorífico de um dia para o outro.
Para desenformar mergulhe as forminhas em água quente durante 10 segundos.

Para o Xarope de Menta:
Faça uma infusão com cerca de 5 raminhos de menta e metade da casca da clementina com que vai decorar a panacota (sem a parte branca). Coe.
Num tacho leve ao lume 1 chávena de infusão e 1/2 chávena de açúcar.
Assim que começar a ferver reduza o lume para o mínimo e deixe ferver por seis minutos. Desligue.
Sirva a panacota fria com o molho de menta ainda morno e decorado com gomos de clementina sem a pele e pevide.

22 de setembro de 2009

Fim de Verão – Dourada na brasa com Batata a Murro e Pimento Vermelho

O Outono está à porta, mas o Sol ainda espreguiça os seus raios de calor. Vamos aproveitar mais um bocadinho para acender a brasa.

Ao churrasco vai o pimento a assar lentamente na companhia de um chouriço de vinho. Pronto o pimento, abafa-se num saco plástico para facilitar a remoção da pele queimada. Pelado e sem sementes e partido em tiras é, de seguida, temperado com azeite, sal e vinagre a gosto.
O chouriço é partido às rodelas e serve-se com pão de centeio.
Para a grelha já seguiram as douradas apenas temperadas de sal e limão.
Entretanto ao fogão cozem as batatas com pele. Sem cozer demais porque, depois, irão tostar na grelha para serem esmurradas e regadas com uma mistura de alho bem picadinho e azeite aquecido.
Brindamos ao calor morno e às cores de Setembro!

17 de setembro de 2009

Por outras cozinhas - Manga em dia de sol



Esta cozinha é das minhas favoritas. Faz já algum tempo que queria experimentar alguma das receitas, até que este fim-de-semana me decidi a fazer uma mousse inspirada por esta delicia. Segui a receita à risca, apenas substituindo a polpa do morango por polpa de manga.
Fica aqui o resultado (mas não julguem pelas fotos:)).
Bom fim de Verão! 

Lombinhos de Porco com Legumes e Maçã




Hoje vamos variar. Há muito tempo que não faço um estufado e gostei do aspecto dos lombinhos na montra do talho.

Então, para 2 pessoas, precisamos de:

2 lombinhos de porco
1 cebola
1 dente de alho
1 cenoura
3 fatias de bacon
1 chávena de ervilhas
1 chávena de cogumelos laminados
1 maçã
1 folha de louro
sal q.b.
azeite q.b.
Vinho branco q.b.

Como fazer:

De véspera, temperamos os lombinhos com sal, o dente de alho esmagado, 1 copo de vinho branco e uma folha de louro.
No dia fazemos um refogado com a cebola cortada em meias luas, o bacon em tiras, a cenoura em cubos e o dente de alho esmagado. Enquanto isso, alouramos os lombinhos num pouco de azeite utilizando uma sauté anti-aderente bem quente.
Estando o refogado no ponto desejado, juntamos os lombinhos e acrescentamos um pouco de água, apenas o suficiente para cobrir os legumes do refogado e deixamos que os lombinhos lhe tomem o gosto durante uns dez minutos.
Adicionam-se as ervilhas, os cogumelos e a maçã descaroçada, descascada e partida em fatias grossas. Tempera-se de sal e acrescenta-se água suficiente para continuar a estufar, vigiando para que não seque.
Acompanha com arroz branco e fatias de pão torrado.
Bom Apetite!

10 de setembro de 2009

Quiche de Bróculos e Tomate Cereja com Ricota




Tinha no frigorifico uma embalagem quase cheia de queijo ricota perto do fim do prazo de validade. Decidi fazer uma quiche substituindo o queijo ralado por este requeijão.

Ingredientes:
1 embalagem de massa quebrada
2 ovos
200 ml de creme culinário Vaqueiro (em substituição das natas, por ter menor teor de gordura)
200 gr de queijo ricota
1/2 embalagem de tomate cereja
1/2 molho de bróculos
sal e pimenta q.b. (normalmente não uso a pimenta, preferindo substituir por um pouco de malagueta sempre que possível)

Como fazer:
Levar ao lume uma panela com água e sal. Deixar levantar fervura e juntar os bróculos.
Assim que ferver novamente, desligar o lume e passar os bróculos por água fria.

Numa taça, misturar os ovos, o creme de leite e o queijo até obter um aspecto homogéneo. Temperar a gosto e acrescentar o tomate partido em metades. Forrar uma forma redonda com a massa quebrada e verter nela este preparado. Acrescentar os bróculos, "enterrando-os" no recheio.

Levar a forno pré-aquecido a 200º até estar cozida.
Sirva com uma salada rica a gosto ou arroz branco.

9 de setembro de 2009

Arroz de Bróculos




Ingredientes:

1 cebola
1 dente de alho
1 cenoura
2 fatias de bacon
1 folha de louro
1/2 piri-piri
Azeite q.b.
1 chávena de arroz
Água q.b.
sal q.b.
Bróculos a gosto

Como fazer:
Num tacho coloque a cebola picada, o alho esmagado, o bacon cortado em tiras, a cenoura em cubos e a folha de louro. Regue com um golpe de azeite e deixe refogar em lume médio.
Acrescente o arroz e envolva até os grãos estarem vidrados.
Acrescente a água necessária para fazer um arroz malandro e tempere com o sal e o piri-piri.
Quando a água começar a ferver, acrescente os bróculos partidos em raminhos "afogando-os" no arroz e deixe cozer o arroz, tendo o cuidado de acrescentar água sempre que necessário.
No fim da cozedura acrescente uma chávena de água fria, desta forma, a calda não vai desaparecer e empapar o arroz.

7 de setembro de 2009

Arroz de improviso


Nem sempre a receita é planeada. Às vezes, muitas vezes, é improvisada.
Sábado de manhã. Uma corridinha ao supermercado que demora mais que o esperado e no saco não veio nada para o almoço.

Vamos lá a ver o que há no frigorifico:

2 bifes de peru
1 lata de salsichas já aberta
Cenouras
Couve branca

E vou ainda à despensa e trago:

Cebola
Alho
Arroz
1 lata de cogumelos
E faço assim:
Pico a cebola e esmago o alho. Coloco num tacho, junto uma folha de louro e cubro com um golpe de azeite.
Junto 1 cenoura partida em cubos, o conteúdo de 1/2 lata de cogumelos e as 5 salsichas que estão na lata partidas às rodelas.
Deixo estalar a cebola e arrefeço com 1/2 copo de vinho branco.
Tempero com sal q.b.
Junto os bifes de peru, cortados em pedaços, e deixo ganhar cor.
Junto 200 gr. de couve branca cortada em tiras.
Tapo o tacho e assim fica em lume médio até a couve perder volume.
Junto a quantidade de água necessária para 1 chávena de arroz (ultimamente foge-me a mão para o arroz agulha, por isso são 2 chávenas de água para cada chávena de arroz).
Quando começar a ferver junto o arroz (aqui rectifica-se o sal se necessário).
Voltando a ferver reduzo o lume para o mínimo. Estando quase seco o arroz, desligo o lume e acaba de cozer no calor do tacho.
Sirvo com uma salada simples de alface e tomate temperada a gosto. O resultado é o que se vê em cima.

Aletria à antiga

Durante a semana procuro conter-me no que toca às sobremesas e afins, mas ao fim-de-semana não resisto a um mimo doce.
Esta semana calhou a sorte à aletria.
Como a preocupação com a saúde é cada vez mais premente procura-se bem comer para bem estar, por isso, sempre que posso, substituo os ingredientes comuns por outros menos agressivos ou procuro até eliminar alguns. Neste capitulo os ovos (as gemas, mais precisamente) são o grande problema e bem sabemos como fazem parte da doçaria tradicional portuguesa. Mas as alternativas existem.
Nesta cozinha encontrei uma receita de aletria sem ovos que mereceu a aprovação de quem a comeu. 

1 de setembro de 2009

Pataniscas de peixe



À procura de ideias para aproveitar umas sobras do dia anterior de uma marmota estufada , andei "de cozinha em cozinha"  e acabei por me inspirar aqui e aqui. Resultou num belo petisco a acompanhar a "sopa lavradeira".

Para o polme utilizei 1 ovo inteiro, 100 ml de leite, sal q.b. e 4 colheres de sopa de farinha, a que juntei 1/2 cebola picada, cerca de 200 gr. de peixe limpo de peles e espinhas e ligeiramente desfiado e salsa a gosto.
Fritei colheradas deste preparado numa mistura de óleo e azeite quente e servi-as ainda quentinhas, depois de escorridas em papel absorvente.
À mesa foi também o pão saloio em fatias e a cerveja bem fresquinha a acentuar o gosto da cebola estaladiça e a salsa das pataniscas.
Hajam mais noites de Verão assim!

A minha "sopa lavradeira"



Quando não sabemos o que apetece para manjar há sempre uma sopa que salva o estômago.
Esta provei-a aqui pela primeira vez, quando a fome começava a apertar a meio do percurso entre Salamonde e Montalegre.

Não resisti a experimentar quando cheguei a casa. Precisamos de:
3+1 batatas médias
1 cebola
1 dente de alho
1 cenoura
150 gr. de feijão verde
100 gr. de massa cotovelo
Sal e azeite q. b.

Como fazemos:
Na panela coloque 3 batatas partidas em cubos, a cebola e o dente de alho. Cubra com água, tempere com o sal e deixe cozer.
Passe a varinha mágica e se necessário acrescente água (no dia seguinte a sopa estará mais grossa, pelo que é preferível um parmentier mais fino), rectificando de sal se assim o entender (cá em casa preferimos pouco sal).
Leve de novo ao lume para levantar fervura. Regue com um fio de azeite, acrescente a cenoura, o feijão verde e a restante batata, tudo partido em pedaços pequenos, e a massa.
Quando estes estiverem cozidos está pronta a sopa.
Também pode optar por cozer os legumes (veja dicas interessantes aqui) e a massa à parte e acrescentá-los ao parmentier no momento em que junta o azeite. Ultrapassa, assim, o problema dos tempos diferentes de cozedura.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...